Unidade I: Rua Bela Cintra, 968 (Av. Paulista) São Paulo / Unidade II: Rua Frei Caneca, 33 - Centro, São Paulo / Fone central: (11) 3262-0621

Síndrome do pânico tem cura?

AddThis Social Bookmark Button
A Síndrome do Pânico tem cura?
Tenho  Síndrome do Pânico já há 17 anos, e posso dizer que já tentei de tudo - da holística à psiquiatria. Estou cansado disso e queria poder viver como qualquer pessoa, andar pelas ruas normalmente, sem medo de ter um troço, e não ter mais esses sintomas que me atrasam a vida. Sem falar que mulher alguma se interessa por um cara que mal sai de casa, tem um estilo todo antigão, apesar de ser um cara 10 e graças a Deus muito bem querido por amigos e amigas.
PSICÓLOGO : Vou falar da minha experiência como psicóloga clinica: Sim, Sindrome_do_panico  tem cura!
Muitas linhas em psicologia são boas, mas para o pânico, a que eu vejo que dá melhores resultados é a Terapia_Cognitiva_Comportamental_-_TCC . Essa linha trabalha tanto os pensamentos irracionais que são típicos do pânico , como o comportamento, ansiedade, vontade de fugir, etc. Uma das características que mais adoro nesta terapia é a lição de casa, ou seja, você leva a terapia pra sua vida depois da sessão. Temos um protocolo de trabalho muito bem feito, e tenho visto resultados maravilhosos.
Claro que a psicoterapia funciona mais rápido quando não há comorbidades – outros problemas atuando junto, mas um bom psicólogo consegue que os sintomas principais sejam amenizados em primeiro lugar para depois trabalhar os aspectos emocionais menos paralisantes.
OUTRAS PERGUNTAS REFERENTES AO TEMA: SÍNDROME DO PÂNICO E MEDOS
E stava em casa tranqüilo de repente bate uma angustia mito grande fiquei com a aquele aperto e  mesmo tendo 1000 pessoas com você, você ainda se sente sozinho. Isso acontece comigo direto !!! O que é isto ???
PSICÓLOGO :   O fato de estar sozinho é apenas o "catalisador" desse sentimento, ou seja, a angustia não vem por estar só, mas estar só te dá oportunidade de senti-la.
Tente identificar que pensamentos lhe ocorrem para que se sinta angustiado. "Converse" com esses pensamentos. Veja se são válidos. Sei que só, às vezes, não é fácil fazer esta análise, se precisar procure ajuda profissional , pois estes sintomas se arecem um pouco com a síndrome do pânico , mas eu preciso de mais elementos.
Porque tenho medo de ter uma doença grave?
Isso acontece comigo em fases, normalmente é quando estou de ferias que estou mais parada e penso na vida. Fiquei cheia de ansiedade, dores de cabeça, parece que  estou sufocando, não consigo comer direito e já emagreci. Fui à minha médica e ela examinou me e disse que  estava tudo bem e mandou fazer analise (psicoterapia). Sou uma pessoa saudável mas estou sempre com medo de pegar uma doença. Ontem estava com uma amiga e só consegui estar meia hora com ela, comecei a entrar em pânico, parecia que  ia sufocar, disse a ela que  tinha de ir pra casa mas não expliquei o real motivo .
PSICÓLOGO :   Essa é a tal da hipocondria. São pensamentos invasivos e intrusivos (invadem e se intrometem na sua cabeça sem você querer pensar e sem gostar de pensar essas coisas).
Quer tentar uns calmantes? Tudo bem. Mas em minha clinica eu sempre tento o tratamento psicológico, sem remédios, primeiro.
O que fazer?
- Tente não se focar nesses pensamentos. Mude o foco de sua atenção, intencionalmente, para outra coisa, pense no namorado, no filme que assistiu, na prova que tem pra fazer, qualquer coisa vale.
- Treine a respiração tranqüila para acalmar a mente (hipocondria é um transtorno de ansiedade).
- Conteste racionalmente esses medos ilógicos.
- Faça terapia para entender porque você está ansiosa, a hipocondria é só um sintoma, sintoma é a válvula de escape que sua mente arruma pra conseguir lidar com a ansiedade. Deve ter mais coisas por trás.
Como pode uma mulher dizer que tem "maieusofobia" (medo de parto) se ela nunca passou por tal situação?
Eu tenho acrofobia (medo de alturas) porque eu já estive em lugares altos e passei muito mal com o corpo todo tremulo, mãos geladas, enfraquecimento nos pés e taquicardia.
PSICÓLOGO :   Na realidade o medo nunca é da coisa em si, mas das fantasias que a pessoa faz da coisa. Deu pra entender? Ou seja, o medo de gato não se refere ao bichinho, mas as idéias e fantasias referentes aos "perigos" que os gatos oferecem. Mesmo que essas idéias não sejam verdadeiras a cabeça do fóbico se convence de que são e sendo assim é possível morrer de medo de coisas que jamais teria contato.
Outra explicação seria o símbolo que o parto – neste exemplo- representa para a pessoa, parto pode representar sofrimento, dificuldade, dor, e quem quer passar por isso? Ninguém, mas quando você é extremamente frágil emocionalmente precisa de um “representante” para suas fragilidades, e no caso que você citou, a pessoa escolheu o parto como representante.
Como se sente durante uma Síndrome do pânico ?
Você se sente como se tivesse em outro planeta, parece que esta no mundo da lua? Quanto tempo se sente assim? Isso passa?
PSICÓLOGO :   Se sentir como se estivesse em outro planeta se chama desrealização ou despersonalização.
Tudo isso são sintomas típicos do pânico.
O normal é passar depois de alguns minutos, ou algumas poucas horas. Se você ainda tem essa sensação por mais tempo é porque ficou impressionada com os sintomas e passou a fixar sua atenção demais neles prolongando-os além do normal.
Achei legar te dizer que isso tem nome porque saber disso dá a sensação de que você não está fora de orbita, muitas outras pessoas passam pela mesma coisa.
Saiba que tem tratamento, e que não precisa ser longo.
Podem me ajudar com a minha síndrome de pânico ?
Sou uma pessoa extremamente alegre, extrovertida e de bem com a vida, porém minha síndrome de pânico não me deixa viver como uma pessoal comum.
Tenho sintomas como fraqueza, mão e pés sempre suados e frios, sensações de dor de cabeça, falta de ar,dores no peito e a pior de todas elas é a sensação de estar com algum problema na garganta.
Tenho dificuldade para engolir as coisas...Não consigo comer nem beber direito, muito menos dormir uma noite sem acordar diversas vezes.Inconscientemente eu acredito que o bolo alimentar ou até mesmo o líquido salivar irá descer pela minha traquéia e fazer com que eu me asfixie, eu sei que tal fato é praticamente impossível, contudo o dificil é convencer o meu medo disso.
Sou uma garota de apenas 16 anos de idade mas convivo com esse problema há mais de 8 anos, quero poder ficar sozinha em casa sem problemas, poder andar sozinha na rua e principalmente poder viver tranquilamente tudo aquilo que tenho pela frente.Por favor, alguém pode me ajuda?
PSICÓLOGO :   Pânico causa um sofrimento tão intenso que só quem tem, ou quem é profissional da área, sabe o que é.
O pânico pode ser muito limitante, pois a capacidade do ser humano em generalizar é tão forte que vai abraçando áreas da sua vida que não tem nada a ver com o pânico inicial.
Confie em mim, sou psicóloga. Não vale a pena levar uma vida assim. Hoje em dia as técnicas terapêuticas estão muitos eficientes, principalmente para pânico.
Procure um psicólogo . Urgente.
Síndrome de pânico - quanto tempo demora em deixar de sentir os sintomas após começar a tomar a medicação?
PSICÓLOGO :   É variável de pessoa para pessoa. Mas não deixe de também fazer a terapia com psicólogo. O pânico nada mais é do que a sua cabeça tirando conclusões muito erradas de situações normais. O pensamento de que vai morrer, de que você não receberá a ajuda necessária, etc. (que são típicos do pânico) vem de "gatilhos" que são interpretados erroneamente por sua mente
E m quais situações costumam acontecer as crises da síndrome do pânico ?
PSICÓLOGO :   Tem crises de pânico que simplesmente não tem lugar. Pode ser na rua, pode ser em casa vendo TV.
Quando as crises aparecem pelo fato de estar fora de casa, ou fora de sua zona de conforto, chama-se agorafobia. É a sensação de desamparo que acompanha o pânico, a sensação de que vai precisar de algo, ou de ajuda e não vai ter.
Um ataque de pânico acontece repentina e inesperadamente, ou seja, não há nenhuma situação ameaçadora obvia provocando o intenso mal estar.
Os sintomas mais comuns são: taquicardia, sudorese, sensação de falta de ar (não se preocupe porque ninguém jamais morreu sufocado por causa de Pânico), tremor, fraqueza nas pernas, ondas de frio ou de calor, tontura, sensação de que o ambiente está estranho, que a pessoa "não está lá" (isso se chama desrealização e não tem nada a ver com loucura, não se preocupe), de que vai desmaiar, de que vai ter um infarto, de uma pressão na cabeça, de que vai "ficar louco", de que vai engasgar com alimentos, assim como crises noturnas de acordar sobressaltado com o coração disparando e com suor intenso. Algumas pessoas tem diarréias em determinadas situações. Outros têm todos os sintomas de uma Labirintite. Outros passam a ter pensamentos que não saem da cabeça de que poderiam ter doenças graves mesmo que todos os exames sejam normais.
Podem ocorrer pensamentos que a pessoa sabe que não fazem sentido, mas não consegue tirar da cabeça. Esses pensamentos obsessivos, fazem do quadro clínico e desaparecem com o tratamento do pânico.
Muito comum de acontecer é o "medo do medo". Muitas vezes o simples pensamento de entrar num avião ou passar ao lado de uma ponte, já desencadeiam a crise. Algumas pessoas preparam “rotas de fuga”, vão a um cinema, teatro ou restaurante e procuram sentar-se perto da saída, outras não trancam a porta quando vão ao banheiro, sempre para sair facilmente caso venham a passar mal.
Quando a pessoa passa por cardiologistas, clínicos, hospitais, laboratórios, etc., todos os exames estão normais. Mas nem sempre o médico alerta este paciente sobre a possibilidade de ser síndrome do pânico, e acaba dispensando o paciente dizendo que está tudo “normal”.
Muitas vezes as primeiras crises aparecem subitamente em situações normais e habituais.
Após ter tido muitas crises, a pessoa continua com medos que ela mesma percebe que não são lógicos, como por exemplo de dirigir (principalmente em congestionamentos, túneis ou estradas), de pegar ônibus, metrô, avião, de participar de reuniões, de viajar, de ficar sozinha ou de sair sozinha de casa, ou de escuridão, de ficar em lugares com muita gente como Shopping, cinema, restaurantes, filas, elevadores, ou então de lugares muito abertos e vazios. Às vezes aparece até mesmo medo de dormir, quando a pessoa teve crises noturnas, ou de se alimentar, quando teve sensações de engasgar.
O importante é saber que é possível mudar.
Medo
Marisa, eu passei um stress muito forte aonde por uma série de fatores achei q ia parar de respirar. Após esse dia passei a ter dificuldades de dormir, medo de ficar sozinho qdo for dormir, dor de cabeça, enfim não estou conseguindo voltar ao "normal". Não sei se estou ficando louco, sinto um medo muito forte.
PSICÓLOGO : Pela sua descrição você teve um episódio de pânico . O que os médicos disseram, como você está organicamente? Esse evento foi emocional ou houve algum elemento orgânico?
Depois dessa vez essa sensação horrível voltou? Você continua ansioso?
Se for esse o caso você deveria tratar desse pânico imediatamente. Muitas vezes as pessoas ficam "num cantinho" esperando passar e a coisa só piora.
Isso é um transtorno de ansiedade, você precisa identificar de onde vêm essa ansiedade toda e trabalhar esse material para superá-lo.
Medo
Dra. Marisa, ontem estava ouvindo sobre o medo e amei, porque estou numa fase de superação, estou realmente me encontrando e enfrentando, me sentindo bem melhor, tenho medo sim do que os outros vão pensar, falar, achar, tenho medo de cachorro, barata, medo de viajar, dirigir de ficar velha...etc, mas estou tentando mudar meus pensamentos, fiz terapia 3 anos e 9 meses e hj posso dizer que me sinto outra mulher, há alguns dias fiz uma exposição física e por incrível que pareça não senti medo, por isso digo...estou progredindo, mas olha que interessante e o pq levantei a lebre. Ouvindo deitada no seu site você falando do medo além de me identificar e agradecer a Deus e a pessoa que me apresentou seu programa de rádio, estou pegando todas as suas dicas pra mim que estão sendo ultra valiosas, mas enquanto você falava do medo e eu me identificava com as situações senti meu coração se acelerar e parece que naquela hora todos os meus medos se afloraram. Eu gostaria de saber porque isso aconteceu. E o que você acha sobre o meu progresso relatado aqui e se puder algumas dicas e conselhos.
PSICÓLOGO :    Você sentia seu coração disparar quando ouvia sobre situações nas quais você sente medo porque seu cérebro (e o de todo mundo) não sabe quando está vivenciando (de fato) uma situação ou quando está imaginando (ou vivenciando apenas internamente). Isso significa que ao ouvir falar sobre situações de medo você se coloca nestas situações (via imaginação) e seu corpo reage como se você estivesse lá.
Síndrome do panico
Tenho 36 anos e sou diabética insulino-dependente. Em 2005 tive uma crise que subiu mto e passei mto mal. Após isso, comecei a ter pânico de andar na rua, pois sempre passava mal na rua e tinha que ir para o hospital. Fiz tratamento com antidepressivos, calmante e terapia. Melhorei mto, mas até hoje, qdo saio para passear ou mesmo ir ao supermercado passo mal e com sintomas desagradáveis. Tenho mta dor de cabeça, tontura e fico apavorada com medo de morrer. Tenho uma filha de 11 anos que é minha vida e perco mto tempo dentro de casa com medo de sair, passar mal e morrer. Sou fumante e cada vez que leio um artigo de fumante x diabetes passo mais mal ainda. Fico procurando doenças e só falo isso o dia todo. Não aguento mais viver assim. Não tenho condições financeiras de fazer um tratamento bom e sus nem pensar, mal olham na sua cara. Qdo o dia amanhece, eu já estou querendo que ele acabe. Não passo um dia bem, tenho várias hipoglicemias ao dia. Durante o dia tenho mtas oscilações, o que me deixa super mal. Trabalho de doméstica e tenho que tirar forças diariamente para trabalhar. Por favor, me ajude!
PSICÓLOGO : Você descreve o clássico Síndrome do Pânico , ou seja, o 1º episódio corresponde a um mal estar orgânico, físico, e não psicológico, mas a partir deste momento surge o medo de voltar a ter aquele mal estar e o pânico se instala, a partir daí a pessoa passa muito mal mesmo sem ter origem orgânica, ou seja seu corpo está bem mas a cabeça reage como se estivesse a beira da morte.
Você deve, precisa e merece ser tratada. Me Ligue, se você não conseguir pagar o valor integral, todas nós na clinica separamos alguns horários para atender a valores reduzidos, se nem o reduzido for possível eu tenho como te encaminhar para atendimento gratuito.
Medo de andar de ônibus
Eu tenho pânico e acredito que Agorafobia também,
eu não consigo nem sequer pensar em entrar em um
ônibus que já começo a passr mal, com sintomas de pânico.
Por favor, o que poderia ser isso?
Obrigada
PSICÓLOGO :   O enfrentamento é importante. Você precisa enviar novas mensagens ao seu cérebro, pois por enquanto ele está catastrofizando e interpretando uma viagem de ônibus como um perigo de morte, e tente lhe proteger evitando que você entre no tal do ônibus.
Claramente este medo é desproporcional.
Se você ainda tiver dificuldades me escreva que eu lhe passo algumas dicas da terapia cognitiva.
Nenhum medo é uma sentença de morte, todos podem ser superados.
Vivo com os nervos à flor da pele. Coloquei na cabeça que vou morre com problema de garganta, não vou ao medico tenho medo. Nao sei quem sou eu não tenho coragem de viver nada só vivo sozinha sem saber e de nada
PSICÓLOGO :   Você me parece muito, mas muito ansiosa. Em primeiro lugar é preciso aprender algumas técnicas de relaxamento, respiração, mas isto seria só um primeiro socorro, não irá resolver toda esta angustia que você relata. Para te entender melhor eu preciso de te ver pessoalmente.
Leia mais sobre Síndrome do Pânico nestas páginas:
Tratamento_para_Sindrome_do_Panico
Sindrome_do_panico

panico

PERGUNTAS FREQUENTES REFERENTES À SÍNDROME DO PÂNICO

A Síndrome do Pânico tem cura? Tenho  Síndrome do Pânico já há muitos anos, queria poder viver como qualquer pessoa, andar pelas ruas normalmente, sem medo de ter esses sintomas que me atrasam a vida.

PSICÓLOGO : Sim, Síndrome do panico pode ser tratada. Muitas linhas em psicologia são boas, mas para o pânico, a que eu vejo que oferece melhores resultados é a Terapia Cognitiva Comportamental -TCC . Essa linha trabalha tanto os pensamentos irracionais que são típicos do pânico , como o comportamento, ansiedade, vontade de fugir, etc. Uma das características que mais gosto nesta terapia é a lição de casa, ou seja, você leva a terapia pra sua vida ao final da sessão. Temos um protocolo de trabalho muito bem feito, e tenho visto resultados maravilhosos. Claro que a psicoterapia funciona mais rápido quando não há comorbidades – outros problemas atuando junto, mas o psicólogo irá trabalhar para que os sintomas principais sejam amenizados em primeiro lugar para depois trabalhará os aspectos emocionais mais paralisantes.

OUTRAS PERGUNTAS FREQUENTES REFERENTES AO TEMA: SÍNDROME DO PÂNICO E MEDOS

Estava em casa tranqüilo de repente bate uma angustia muito grande fiquei com a aquele aperto e  mesmo tendo 1000 pessoas com você, você ainda se sente sozinho. O que é isso?

PSICÓLOGO : O fato de estar sozinho pose ser apenas o "catalisador" desse sentimento, ou seja, a angustia não vem por estar só, mas estar só te dá oportunidade de senti-la. Tente identificar que pensamentos lhe ocorrem para que se sinta angustiado. "Converse" com esses pensamentos. Veja se são válidos. Sei que só, às vezes, não é fácil fazer esta análise, se precisar procure ajuda profissional , pois estes sintomas se parecem um pouco com a síndrome do pânico  mas seria necessário mais informações.

Porque tenho medo de ter uma doença grave? Fico cheia de ansiedade, dores de cabeça, parece que  estou sufocando, não consigo comer direito.

PSICÓLOGO : Pode ser pensamentos relacionados à hipocondria. São pensamentos invasivos e intrusivos (invadem e se intrometem na sua cabeça sem você querer pensar e sem gostar de pensar essas coisas).  Mas em minha clinica eu sempre tento o tratamento psicológico, sem remédios, primeiro. O que fazer? - Tente não se focar nesses pensamentos. Mude o foco de sua atenção, intencionalmente, para outra coisa, pense no namorado, no filme que assistiu, na prova que tem pra fazer, qualquer coisa vale. - Treine a respiração tranqüila para acalmar a mente (hipocondria é um transtorno de ansiedade). - Conteste racionalmente esses medos ilógicos. - Faça terapia para entender porque você está ansiosa, a hipocondria é só um sintoma, sintoma é a válvula de escape que sua mente arruma pra conseguir lidar com a ansiedade. Deve ter mais coisas por trás.

Como pode uma mulher dizer que tem medo de alguma coisa se nunca passou por tal situação, exemplo "maieusofobia"

PSICÓLOGO : Na realidade não sentimos medo da coisa em si, mas das fantasias que fazemos da coisa. Deu pra entender? Ou seja, o medo de gato não se refere ao bichinho, mas as idéias e fantasias referentes aos "perigos" que os gatos oferecem. Mesmo que essas idéias não sejam verdadeiras a cabeça do fóbico se convence de que são e sendo assim é possível morrer de medo de coisas que jamais teria contato.Outra explicação seria o símbolo que o parto – neste exemplo- representa para a pessoa, parto pode representar sofrimento, dificuldade, dor, e quem quer passar por isso? Ninguém, mas quando você é extremamente frágil emocionalmente precisa de um “representante” para suas fragilidades, e no caso que você citou, a pessoa escolheu o parto como representante.

Isto é um sintomas que aparece durante a Síndrome do pânico? Sentir-se como se tivesse em outro planeta, parece que esta no mundo da lua? Quanto tempo se sente assim? Isso passa?

PSICÓLOGO : Se sentir como se estivesse em outro planeta se chama desrealização ou despersonalização. Tudo isso são sintomas típicos do pânico. O normal é passar depois de alguns minutos, ou algumas poucas horas. Se você ainda tem essa sensação por mais tempo é porque ficou impressionada com os sintomas e passou a fixar sua atenção demais neles prolongando-os além do normal. Achei legar te dizer que isso tem nome porque saber disso dá a sensação de que você não está fora de orbita, muitas outras pessoas passam pela mesma coisa. Saiba que tem tratamento, e que não precisa ser longo.

Síndrome de pânico - quanto tempo demora em deixar de sentir os sintomas após começar a tomar a medicação?

PSICÓLOGO : É variável de pessoa para pessoa. Mas não deixe de também fazer a terapia com psicólogo. O pânico nada mais é do que a sua cabeça tirando conclusões muito erradas de situações normais. O pensamento de que vai morrer, de que você não receberá a ajuda necessária, etc. (que são típicos do pânico) vem de "gatilhos" que são interpretados erroneamente por sua mente

Em quais situações costumam acontecer as crises da síndrome do pânico ?

PSICÓLOGO : Tem crises de pânico que simplesmente não tem lugar. Pode ser na rua, pode ser em casa vendo TV. Quando as crises aparecem pelo fato de estar fora de casa, ou fora de sua zona de conforto, chama-se agorafobia. É a sensação de desamparo que acompanha o pânico, a sensação de que vai precisar de algo, ou de ajuda e não vai ter. Um ataque de pânico acontece repentina e inesperadamente, ou seja, não há nenhuma situação ameaçadora obvia provocando o intenso mal estar. Os sintomas mais comuns são: taquicardia, sudorese, sensação de falta de ar (não se preocupe porque ninguém jamais morreu sufocado por causa de Pânico), tremor, fraqueza nas pernas, ondas de frio ou de calor, tontura, sensação de que o ambiente está estranho, que a pessoa "não está lá" (isso se chama desrealização e não tem nada a ver com loucura, não se preocupe), de que vai desmaiar, de que vai ter um infarto, de uma pressão na cabeça, de que vai "ficar louco", de que vai engasgar com alimentos, assim como crises noturnas de acordar sobressaltado com o coração disparando e com suor intenso. Algumas pessoas tem diarréias em determinadas situações. Outros têm todos os sintomas de uma Labirintite. Outros passam a ter pensamentos que não saem da cabeça de que poderiam ter doenças graves mesmo que todos os exames sejam normais. Podem ocorrer pensamentos que a pessoa sabe que não fazem sentido, mas não consegue tirar da cabeça. Esses pensamentos obsessivos, fazem do quadro clínico e desaparecem com o tratamento do pânico. Muito comum de acontecer é o "medo do medo". Muitas vezes o simples pensamento de entrar num avião ou passar ao lado de uma ponte, já desencadeiam a crise. Algumas pessoas preparam “rotas de fuga”, vão a um cinema, teatro ou restaurante e procuram sentar-se perto da saída, outras não trancam a porta quando vão ao banheiro, sempre para sair facilmente caso venham a passar mal. Quando a pessoa passa por cardiologistas, clínicos, hospitais, laboratórios, etc., todos os exames estão normais. Mas nem sempre o médico alerta este paciente sobre a possibilidade de ser síndrome do pânico, e acaba dispensando o paciente dizendo que está tudo “normal”. Muitas vezes as primeiras crises aparecem subitamente em situações normais e habituais. Após ter tido muitas crises, a pessoa continua com medos que ela mesma percebe que não são lógicos, como por exemplo de dirigir (principalmente em congestionamentos, túneis ou estradas), de pegar ônibus, metrô, avião, de participar de reuniões, de viajar, de ficar sozinha ou de sair sozinha de casa, ou de escuridão, de ficar em lugares com muita gente como Shopping, cinema, restaurantes, filas, elevadores, ou então de lugares muito abertos e vazios. Às vezes aparece até mesmo medo de dormir, quando a pessoa teve crises noturnas, ou de se alimentar, quando teve sensações de engasgar. O importante é saber que é possível mudar.  Medo

Eu passei um stress muito forte aonde por uma série de fatores achei que ia parar de respirar. Após esse dia passei a ter dificuldades de dormir, medo de ficar sozinho qdo for dormir, dor de cabeça, enfim não estou conseguindo voltar ao "normal". Não sei se estou ficando louco, sinto um medo muito forte.

PSICÓLOGO : Pela sua descrição parece que você teve um episódio de pânico . O que os médicos disseram, como você está organicamente? Esse evento foi emocional ou houve algum elemento orgânico? Depois dessa vez essa sensação horrível voltou? Você continua ansioso? Se for esse o caso você deveria tratar desse pânico imediatamente. Muitas vezes as pessoas ficam "num cantinho" esperando passar e a coisa só piora. Isso é um transtorno de ansiedade, você precisa identificar de onde vêm essa ansiedade toda e trabalhar esse material para superá-lo.

Medo. Enquanto eu ouvia alguém falar sobre medo e eu me identificava com as situações senti meu coração se acelerar e parece que naquela hora todos os meus medos se afloraram. Eu gostaria de saber porque isso aconteceu.

PSICÓLOGO : Você sentia seu coração disparar quando ouvia sobre situações nas quais você sente medo porque seu cérebro (e o de todo mundo) não sabe quando está vivenciando (de fato) uma situação ou quando está imaginando (ou vivenciando apenas internamente). Isso significa que ao ouvir falar sobre situações de medo você se coloca nestas situações (via imaginação) e seu corpo reage como se você estivesse lá.

Síndrome do panico Em 2005 tive uma crise devido a diabetes e passei muito mal. Após isso, comecei a ter pânico de andar na rua. Até hoje, quando saio para passear ou mesmo ir ao supermercado passo mal e com sintomas desagradáveis. Tenho mta dor de cabeça, tontura e fico apavorada com medo de morrer.

PSICÓLOGO : Você descreve o clássico Síndrome do Pânico , ou seja, o 1º episódio corresponde a um mal estar orgânico, físico, e não psicológico, mas a partir deste momento surge o medo de voltar a ter aquele mal estar e o pânico se instala, a partir daí a pessoa passa muito mal mesmo sem ter origem orgânica, ou seja seu corpo está bem mas a cabeça reage como se estivesse a beira da morte. Você deve, precisa e merece ser tratada. Me Ligue, se você não conseguir pagar o valor integral, todas nós na clinica separamos alguns horários para atender a valores reduzidos, se nem o reduzido for possível eu tenho como te encaminhar para atendimento gratuito.

Gostará de ler também:

tratamento sindrome do panicoSíndrome do pânico - Tratamento

 

 

sintomas panicoSintomas da Síndrome do pânico

agende sua comsulta Escolha aqui seu Psicologo
Quanto custa a psicoterapia e informações gerais


Consulta com psicólogo - Agende aqui


*O material deste site é informativo, não substitui a terapia ou psicoterapia oferecida por um psicólogo.

Psicólogo Responde

Agende uma Consulta

marcar_consulta

Cómo chegar

Unidade I: Rua Bela Cintra, 968, São Paulo ( Veja o mapa )

Unidade II: Rua Frei Caneca, 33, São Paulo ( Veja o mapa )

Fone central: (11) 3262-0621

Compartilhe!