3 Motivos para agendar uma consulta com psicóloga online

Em momentos onde o futuro parece mais incerto do que de costume não é incomum nos questionarmos sobre quem somos, o que queremos, e como nos adaptar ou enfrentar os desafios cotidianos que podem tomar uma dimensão assustadora sem um horizonte que ajude a vislumbrar perspectivas.

Uma psicóloga pode lhe ajudar a obter respostas que você mesmo(a) já possui mas não consegue perceber.

No presente, devido a pandemia do novo coronavírus, o clássico encontro entre cliente e psicoterapeuta num consultório está momentaneamente impedido. Neste contexto de pandemia além de fortalecer a estratégia de isolamento social, outro motivo para buscar atendimento online é ser portador de doença infectocontagiosa. 

Então, neste contexto vamos enumerar mais três motivos para você agendar com uma psicóloga online:

O primeiro motivo para agendar uma consulta com uma psicóloga online é possuir alguma condição física que limite a mobilidade, ou condições psicológicas que restrinjam deslocamentos ou viagens (como por exemplo, na agorafobia, em episódios de pânico); 

Outro motivo é facilitar processos de terapia de família quando os membros estão geograficamente separados.

A possibilidade de abrir caminho para atendimentos presenciais em pessoas resistentes a buscar ajuda terapêutica, por inibição ou outras razões é, também, um bom motivo para agendar sua consulta online.

Assim, entre em contato conosco para agendar sua consulta online o quanto antes. Você pode ser atendido no conforto e privacidade de sua casa, com horários flexíveis e sem se expor ao risco da COVID-19.

Outras informações sobre terapia online: 

https://zenfy.com.br/terapia-online/
 
 
Marisa de Abreu - Consultório de Psicologia
WatsApp 11 99787-4512
11 3262-0621
 
 
 

Marisa de Abreu

Psicóloga

CRP 06/29493

Agende sua consulta >> Ligue no (11) 3262-0621 ou clique aqui

Referência:

RODRIGUES, Carmelita Gomes; DE ARAÚJO TAVARES, Marcelo. PSICOTERAPIA ONLINE: DEMANDA CRESCENTE E SUGESTÕES PARA REGULAMENTAÇÃO. Psicologia em Estudo, v. 21, n. 4, p. 735-744, 2016.

Imprimir