Unidade I: Rua Bela Cintra, 968 (Av. Paulista) São Paulo / Unidade II: Rua Frei Caneca, 33 - Centro, São Paulo / Fone central: (11) 3262-0621

Acabe com o estresse treinando a mente

AddThis Social Bookmark Button

O que é estresse (ou stress)

Estresse (ou stress) é um instinto. O corpo reage quando se depara com uma ameaça real ou imaginária. A pressão arterial sobe, a freqüência cardíaca aumenta, a respiração fica ofegante, os músculos ficam tensos, dá dor de barriga. Observem que eu disse ameaça real ou imaginária, você pode tanto estar sendo atacado por uma pessoa furiosa como pode estar imaginando que o namorado vai romper com você – pois você “percebeu” que ele está com um ar distante, ou imagina que o chefe vai te demitir porque esta semana ele te cobrou mais do que o normal. Independente de estas situações serem verdadeiras, se te passou pela cabeça que seu chefe vai te demitir o corpo acredita, e acreditando começará a reagir como se fosse verdade. Na realidade seu cérebro não sabe o que é real, tudo o que você pensa, como o que você vive de fato, é percebido pelo cérebro como realidade.

A repetição dessa reação do seu corpo ao estresse faz com que você produza hormônios que podem ser perigosíssimos, podem desencadear desde uma simples dor de cabeça como infarto.

Sintomas relacionados ao estresse (stress)

Os sintomas psicológicos podem ser: ansiedade, tensão, confusão, irritabilidade, frustração, ira, ressentimento, hipersensibilidade, você fica muito reativo, passa a ter dificuldade na comunicação com as pessoas, se afasta das pessoas, e o pior, se sente isolado, insatisfeito com o trabalho, com a vida, aparece a fadiga mental, prejuízo do funcionamento intelectual, perda da concentração, da espontaneidade, da criatividade e da auto estima. Enfim, você se odeia!

Os sintomas físicos do estresse: Aumento da pressão sanguínea, problemas gastrointestinais, fadiga física, sudorese, problemas de pele, dor de cabeça, distúrbios do sono, etc. Comportamento do estressado.

Sintomas comportamentais do estresse são: “Deixar para amanhã”, evitação do trabalho, você fica menos produtivo, uso e abuso do álcool e drogas tanto legais como ilegais, come em excesso, o que leva a obesidade, ou come muito pouco, depende de cada pessoa, a que costuma ter pouco apetite, em estresse esse apetite some de vez, quem tem mais apetite vira um leão pra comer, e em casos de estresse mais graves pode acontecer até tentativa de suicídio.

Estresse interno e estresse externo

O estresse (ou stress) pode vir de fora de, como por exemplo problemas com a família, trabalho, amigos, ou pode ser interno, quando se luta com um conflito emocional, por exemplo, quando a pessoa se impõe a padrões muito elevados, só se aceita se estiver tudo perfeito em sua vida, sofre um estresse que ela mesma criou. Outros conflitos emocionais são as ansiedades, frustrações, angustias, mágoas, decepções, raivas, etc.

Conseqüências do estresse (stress)

O principal hormônio envolvido nesse processo é o cortisol. Quando o estresse é passageiro a produção do cortisol é pouca, o suficiente apenas para te deixar alerta, o que é bom, porque te permite enfrentar a ameaça, mas se o estresse for crônico, todo dia, toda hora tua cabeça vive com mil preocupações como, por exemplo, você remoendo o pânico de procurar emprego, o marido que nunca chega cedo em casa, seu chefe que sempre acusa erro em seus relatórios, é essa timidez que te deixa sem graça diante das pessoas. Cada um destes eventos vai produzindo cada vez mais cortisol em seu seu organismo. O que é um perigo, tanto mental como físico, pois aumenta o risco de acumulo de gordura nas paredes das artérias, eleva a pressão arterial, enfraquece os glóbulos brancos, e com isso reduz a capacidade do organismo lutar contra as doenças. Já ouviram falar das tais doenças psicossomáticas? Do psicológico afetando o corpo? Tudo começa por aí. Você passa por problemas psicológicos, traumas, se torna emocionalmente debilitado e chega uma hora que o corpo padece também.

Depois de anos de estresse o corpo começa a desmoronar: a memória vai pro brejo, o sistema imunológico fica enfraquecido, ou seja, você fica muito mais suscetível a tudo quanto é doença e nem sabe porque, hipertensão, problemas de estomago, problemas dermatológicos, dificuldades digestivas, etc.

Porque algumas pessoas não se estressam

Tem gente que passa por fortes situações, perde um ente querido, por exemplo, e ainda assim supera, claro que com dor, luto, mas consegue levar sua vida normalmente. Não é porque a pessoa não gostava desse ente querido, gostava e muito. Tem gente que vive com a agenda lotada 14 horas por dia de obrigações, coisas pra fazer, trabalho e responsabilidades, e ainda assim vive sem estresse, enquanto outros se desestruturam totalmente. Ou seja, algumas pessoas tem boa capacidade de enfrentamento e outras não tem, ou num dado momento tem boa capacidade de enfrentamento e em outro momento já vai tudo por água abaixo.

Pode ser que o estressado nem sabe qual é a fonte de estresse, isso você percebe quando não há nada de muito ruim na sua vida, mas ainda assim está morto de cansado: “aparentemente minha vida não tem nada de catastrófico, mas eu não estou bem”. A resposta é: você não dispõe de armas pra vencer o estresse.

Porque algumas pessoas são mais estressadas que outras

Você é do jeito que é, ou seja, infeliz, entusiasmado, cismado, carrancudo, pró-ativo, enfim, tanto suas qualidades como defeitos psicológicos devido a 3 fatores:

Genética. Você é assim porque recebeu gens que determinam seu estado de humor.

Ambiente, ou seja, você é do jeito que é porque aprendeu ser assim, lhe disseram pra ser assim, “menina dê a vez para as outras pessoas” aí você aprende que você nunca tem vez, que todo mundo é mais importante que você. Aprendeu porque viu exemplos de pessoas sendo assim, viu seu pai ser demitido e ficar em casa arrasado, e com isso aprendeu que não adianta lutar, o negócio é desistir. Se você teve um pai que vivia dizendo “ninguém é amigo de ninguém, todo mundo trai quando tem uma oportunidade”, claro que você vai aprender a ser inseguro, você aprende a ter uma visão negativa a respeito das pessoas e, claro que vai aplicar nos seus relacionamentos pro resto da vida, qualquer amigo ou namorado vai viver sob seu olhar desconfiado. Enfim, a vida ensina de tudo quanto é jeito.

O terceiro fator é o mais bacana:

Você é do jeito que é por sua causa mesmo. É isso aí! Você pode contar com você pra ser o que você quiser ser. Ou seja, através de atividades intencionais você pode determinar o quanto será leve, espontâneo, e feliz.

Tenho até as proporções pra cada fator. As circunstâncias da vida, o quanto você é feliz porque teve um pai legal, uma mão carinhosa, é só 10% do seu total de felicidade. A genética é um ponto decisivo, decide 50% da sua cota de felicidade, ou seja, pode ter a vida maravilhosa que for, mas 50% da sua felicidade você já nasceu com você. Tanto é que gêmeos idênticos criados separados, sob circunstâncias bem diferentes tendem a ter um patamar de felicidade bem parecido, não importa o que tenha acontecido com eles. Mas o que normalmente se deixa de lado, e é um desperdício, são os 40% restante, que é a parte que pode ser alterado por nossas atividades, nossas atitudes intencionais. Ou seja, por mais que você acha que é infeliz por causa o seu corpo, do seu trabalho, da colega que te perturba, com o casamento. Pare! você pode mudar todo seu estado de animo com muita disciplina e autocontrole pra desaprender crenças que estão te limitando.

Enfrentar os problemas

Enfrentar significa usar uma das três saídas:

1ª superar o problema,

2ª cair fora do problema ou

3ª conviver com o problema.

Ou seja, ou você elimina o problema, ou cai fora do problema, ou aprende a conviver com ele. Isso é enfrentamento. Ex: Seu casamento está sendo um problema, mas você não consegue resolver nem consegue sair do problema (não consegue se separar), e nem dá pra aprender a conviver com ele, aí sim, chegamos no estresse. Você está num beco sem saída, está estressado.

O que fazer para combater o estresse Relaxar. Fácil falar, não? “Relaxa!” Já ouviram algo assim? É irritante, mas não deixa de ser verdadeiro, pois relaxando o corpo produz mais oxido nítrico, molécula antídoto contra o cortisol.

Como relaxar

Aprendendo a flexibilizar o pensamento. Aprender a pensar racionalmente. Aprender a resolver os problemas do dia a dia. Usar o lado esquerdo do cérebro - por mais que digam que se deve desenvolver o lado direito, que é o lado das emoções e da criatividade, na realidade o lado direito é responsável pelo descontrole emocional, quando você fortalece o lado esquerdo, que é o lado da lógica, do raciocínio, da atenção e do controle das emoções, você consegue mais equilíbrio e paz de espírito. Quando você não consegue sozinho você pode contar com o trabalho do psicólogo e da psicoterapia.

Como a psicoterapia age no combate ao estresse

Tratando a ansiedade, a depressão, ou seja tratando seu estado psicológico.  Tanto a Terapia Cognitiva Comportamental como a psicanálise te ensina a identificar os pensamentos automáticos destrutivos e reavaliar sua vida. Muita gente sofre por fazer uma interpretação errada das situações do dia a dia. Por exemplo, uma pessoa se acha imprestável e sofre porque vive como se isso fosse verdade, na terapia a gente tem a possibilidade de identificar de onde vem essa idéia. Será que foi da sua criação? Será que a pessoa foi passando por situações negativas e repetitivas que foram estabelecendo esquemas negativos dentro de sua mente? O psicólogo trabalha para que essas crenças disfuncionais sejam corrigidas no que for possível.

Insegurança promove estresse

É preciso encontrar segurança interna. A pessoa segura não sente o estresse tão facilmente. Ser seguro é perceber-se forte e resistente às emoções destrutivas. Não falo da percepção de segurança falsa, aquela adquirida com pensamento positivo, aquela coisa de acordar olhar no espelho e repetir “você é lindo, forte e sua via é perfeita”, eu falo do pensamento racional, verdadeiro, que admite que haja adversidades, mas que você pode encará-las como oportunidade de crescimento, sempre aproveitando a vida como aprendizagem. Aprender é sempre muito mais interessante do que nunca errar, nunca se deparar com o chefe chato, com o namorado que enrola, o transito, a chuva, o medo, etc.

Estresse = desgaste psicológico

Quando entendemos as situações que produzem estresse passamos a entender o próprio desgaste psicológico. Estresse não é trabalhar muito e ficar cansado, isso você recupera numa noite bem dormida, o verdadeiro estresse é a “cabeça” cansada, a dificuldade em se tornar independente, a insegurança, a falta de auto-estima, o ciúme desproporcional e todas as situações onde você se sente vulnerável e incapaz de superar.

Como mudar seu próprio cérebro

Ao se manter o estressado você debilita seu próprio cérebro. Mas eu tenho boas noticias da neurociência, segundo neurocientistas nós podemos mudar nosso cérebro. Uma pessoa quem vem se sentindo estressado, de mal com a vida, irritado, depressivo, sem animo, pode mudar isso tudo de forma voluntária e intencional.

O que é mente e o que é cérebro

Cérebro é a parte física, é essa massa cinzenta que você tem aí dentro da sua caixa craniana que pesa um pouco mais de um quilo. É o tecido biológico. A mente é o resultado do funcionamento do cérebro, são os pensamentos, os sentimentos, e as emoções. É como se o cérebro fosse o hardware, e a mente o software. Mas a diferença da sua cabeça pra um computador é que seu software não pode alterar o hardware, ou seja, o programa não pode mudar a máquina, coisa que é possível entre a mente e o cérebro.

Vou explicar. Por exemplo, tem um problema no trabalho e já começa a pensar: “vou ser demitido, nunca vou conseguir as coisas, nada dá certo na minha vida”. Quando essa pessoa altera os padrões disfuncionais de pensamento, como faz a TCC, Terapia Cognitiva Comportamental, e passa a pensar diferente: “Isso é só um obstáculo, posso muito bem aprender a contornar essa dificuldade no trabalho, pesquisar novas técnicas para aplicar em meu trabalho como outras pessoas já fizeram e tiveram até promoção”. Ao desenvolver esse novo padrão de pensamento a parte do seu cérebro que gerava pensamentos obsessivos é reduzido, e a parte que gera emoções positivas aumenta. Isso prova que há uma conexão entre a região responsável pelos pensamentos e a região encarregada das emoções. Quando você muda seus pensamentos você muda seus sentimentos, e essa mudança é visível no cérebro, estruturalmente seu cérebro mudou.

Desenvolvendo Recursos Pessoais

Um dos recursos pessoais mais importantes é o senso de auto-eficácia. Auto-eficácia significa que você acredita em si mesmo, você percebe que tem condições de enfrentar ou resolver seus próprios problemas. O senso de auto-eficácia pode ser adquirido naturalmente, ou seja, os sucessos que você teve no passado te oferecem base para perceber que poderá se sair bem nas próximas situações problemáticas da vida.

Quando a pessoa fracassa em algum momento da vida tende a considerar que suas novas tentativas também vão dar em fracasso, o que não é verdade necessariamente, mas por não acreditar em si mesmo (não desenvolver o senso de auto-eficácia) nem tentará resolver o novo problema, o problema cresce, e pronto! Virou uma profecia que se auto realizou. Tanto ela achou que a coisa não daria certo que não deu mesmo. E o interessante é que ela nem percebe que foi ela que fez a coisa dar errado, foi sua falta de iniciativa de pelo menos tentar.

Quanto mais fraco for o senso de auto-eficácia de uma pessoa, menos ela vai enfrentar os problemas e mais estressada ficará. Auto-eficácia é como uma lupa, se você a usar direito você vai usar a lente de aumento e verá tudo de forma mais clara, tudo maior, mas se usar a lupa do lado contrário tudo fica muito difícil de ver. Auto eficaz é a pessoa que vê sua capacidade com a lente de aumento, e olha para os problemas com o lado que diminui. O estressado já olha os problemas pela lente de aumento, e mesmo sendo problemas pequenos ele os vê como insolúveis, insuperáveis.

Mesmo que a pessoa não tenha adquirido este senso naturalmente com a vida, ainda assim é possível desenvolve-lo através do trabalho do psicólogo, em psicoterapia.

Conclusão

Você pode treinar para se sentir melhor, independente do que esteja acontecendo na sua vida. O seu cérebro vai acompanhar esse treino e vai se alterar. Você vai funcionar diferente. Quer ver um exemplo. Monges budistas, que treinam meditação muito intensamente trabalhando a compaixão tem a parte do cérebro responsável pela empatia e pelo altruísmo bem aumentada, esse é o lado esquerdo do cérebro.

As conexões entre as células nervosas ficam mais fortes, é como quando você faz musculação, as conexões entre as fibras do músculo do seu braço ficam mais fortes. Mudar os pensamentos é como fazer musculação no seu cérebro. É possível aumentar o seu bem estar por meio de treino mental. A palavra chave é intenção, você pode mudar se trabalhar intencionalmente pra essa finalidade.

A decisão de ser feliz está em suas mãos. O estado mental pode estar sob nosso controle. Ele pode ser mudado com treinamento. A psicologia  está estudando quais exercícios mentais diminuem o sofrimento e eu sou uma das maiores entusiastas destes estudos .

Conte com um psicologo para realizar as mudanças que você precisa.

 


 

estressado

Entrevista cedida pela psicóloga Marisa de Abreu para o  Portal Minha Vida

 

 

Como lidar com o estresse

 

 

- Apesar de o estresse ser gerado por situações externas, a pessoa pode aumenta-lo com sua forma de encarar os fatos? Como?

Psicólogo: Claro. A psicologia cognitiva estudou muito este fator e deixou bem claro aquilo que os filósofos já diziam “O problema não é o que acontece contigo, o problema é como você lida com o que acontece contigo”. Ou seja, as pessoas que tem tendência a catastrofizar – ver as coisas de forma muito pior do que  realmente são – sofrem muito mais com os eventos estressantes.

Quem tem uma auto imagem muito frágil, sofrerá mais danos emocionais do que uma outra pessoa que passou pelas mesmas situações estressantes.

 

- Saber identificar os fatores estressantes do seu dia a dia é importante para lidarmos com o estresse? Por quê?

Psicólogo: Sim, pois assim podemos sair fora deles ou na pior das hipóteses buscar mais forças para enfrenta-los. Por exemplo, ao identificar uma situação de estresse que está por vir podemos, quando possível, aprender a dizer “não” a compromissos que só sobrecarregarão ou nos prepararmos com exercícios físicos ou relaxamento para encarar os eventos estressantes.

 

- Existem fatores de estresse que são mais difíceis de serem reconhecidos? O que poderia causar essa dificuldade?

Psicólogo: Sim, algumas vezes não nos damos conta de alguns fatores estressantes por considerarmos nossa obrigação realizações que na verdade não são de nossa alçada. Como por exemplo, considerar que devemos resolver os problemas de cada parente ou amigo que chega com suas estórias complicadas para serem resolvidas – devemos considerar que muitas vezes ajudamos mais apenas ouvindo.

 

- Todos os fatores estressantes podem ser resolvidos simplesmente? Como lidar com os que não podemos simplesmente eliminar de nossas vidas (como alguém da família, um chefe, etc...)?

Psicólogo: Para todo problema há 3 formas de lidar:

- Soluciona o problema

- Cai fora do problema

- Aprende a viver com ele

Sendo assim, quando não há como eliminar nem solucionar a saída é aprender a viver com ele, ou até melhor aprender a viver apesar do problema.

 

- Escrever um diário pode ser uma forma positiva de lidar com o estresse? Colocar as situações no papel ajuda a encará-las de forma diferente?

Psicólogo: Se a intenção for ver o problema de outros ângulos pode ajudar, mas tomem cuidado para que o diário não se transforme em uma forma de “ruminar” e intensificar a raiva e o problema.

 

- E o fato de escrever e expressá-las também pode trazer insights de formas para resolvê-las?

Psicólogo: Sim, é possível, mas é preciso escrever com esta disposição e não repetir e repetir o problema até ele fazer parte de sua vida eternamente.

 

- Esse diário precisa ser feito em papel e caneta, ou pode ser digital? Muda alguma coisa no tipo de plataforma?

Psicólogo: Não. Há pessoas que simplesmente esqueceram como se escreve com caneta, não há diferença.

 

- O que a psicologia encara como pensamentos tóxicos? Eles são comuns em pessoas estressadas?

Psicólogo: São as ruminações – repetições intensas referente ao que não gosta e do que não consegue fazer.

 

- De que forma esses pensamentos pioram o estresse?

Psicólogo: Dão a sensação de impotência pois engrandecem o problema.

 

- Como o estressado pode mudar esses padrões de pensamento?

Psicólogo: De forma deliberada procurando flexibilizar o pensamento. Ou através da psicoterapia onde o psicólogo o ajudará a encontrar novas formas de ver o mesmo panorama.

 

- Se mais assertivo pode ajudar a reduzir fontes de estresse e até a lidar melhor com elas? De que forma?

Psicólogo: Sim, saber falar “não” na hora certa, para apessoa certa e da forma certa dá muito resultado.

 

- O que a pessoa pode fazer para se tornar mais assertivo?

Psicólogo: Treinar sempre sua mente, ser elegante e não considerar que ser agressivo é o mesmo que ser assertivo.

 

- Todo mundo consegue se expressar bem com as palavras? De que outras formas os nossos sentimentos podem ser expressos?

Psicólogo: . Gosto muito da expressão através de palavras, há pessoas que recebem gestos maravilhosos todos os dias de uma certa pessoa mas acabam considerando uma pequena palavra de outra pessoa.

 

- Quais os benefícios da arteterapia para o estresse?

Psicólogo: Relaxamento, capacidade de mudar o foco e pensar em outra coisa para dar chance de renovar os pensamentos e desenvolvimento da capacidade de perceber-se como produtivo.

 

- Existem outras terapias que ajudem o estressado a se expressar de formas diferentes da arteterapia?

Psicólogo: Toda terapia ajuda, mas a terapia Cognitiva comportamental tem um trabalho bem focado na mudanças dos padrões de pensamento.

 

- De que forma o humor e a terapia do riso podem ajudar a lidar com o estresse?

Psicólogo: Quando você ri seu cérebro interpreta o ato como alegria, mesmo que de inicio você não se sinta alegre, com a repetição do comportamento de riso seu cérebro lhe ofertará o sentimento de alegria.

 

- Existem tipos de humor melhores para serem desenvolvidos pelas pessoas estressadas? Sarcasmo e ironias são tipos bons ou ruins?

Psicólogo: . Sarcasmo e ironia nunca foram humor saudável, são comportamentos agressivos puros. As pessoas passivas agressivas que tem este comportamento.

 

- As falhas de comunicação entre o estressado e as outras pessoas pode gerar mais estresse?

Psicólogo: O estresse dificulta o bom elaborar de pensamentos e assim a expressão dos pensamentos fica comprometida. Sem conseguir dizer o que se quer da forma que se quer não há como obter entendimento interpessoal.

 

- Entender melhor como você deve se comunicar com cada tipo de pessoa é importante para evitar estresse e lidar melhor com as situações?

Psicólogo: Sim, cada pessoa pede uma forma de expressão. Para uns remos que ser práticos, para outros objetivos. Quanto mais desenvolvermos esta sensibilidade mais eficientes seremos.

 

- Saber administrar o tempo melhor pode ajudar a reduzir fatores estressores? Por quê?

Psicólogo: Sim, saber priorizar o que  realmente merece é de grande valia.

 

- Normalmente, quais as dificuldades mais comuns dos estressados ao lidar com administração do tempo?

Psicólogo: Os estressados não conseguem obter uma visão “panorâmica” de sua situação atual e assim não conseguem organizar oq eu deve ser feito primeiro ou quanto tempo usr em cada tarefa.

Gostará de ler também:

estresse traumáticoEstresse traumático

 

 

memoria emocionalMemória emocional

agende sua comsulta Escolha aqui seu Psicologo
Quanto custa a psicoterapia e informações gerais


Consulta com psicólogo - Agende aqui


*O material deste site é informativo, não substitui a terapia ou psicoterapia oferecida por um psicólogo.

Dicas e Tratamentos

Agende uma Consulta

marcar_consulta

Cómo chegar

Unidade I: Rua Bela Cintra, 968, São Paulo ( Veja o mapa )

Unidade II: Rua Frei Caneca, 33, São Paulo ( Veja o mapa )

Fone central: (11) 3262-0621

Compartilhe!