Unidade I: Rua Bela Cintra, 968 (Av. Paulista) São Paulo / Unidade II: Rua Frei Caneca, 33 - Centro, São Paulo / Fone central: (11) 3262-0621

Assertividade

AddThis Social Bookmark Button
Assertividade
Como psicóloga sou uma observadora assídua do comportamento humano, onde eu estiver observo como e porque as pessoas têm certas atitudes. Uma das coisas que mais me fascina é observar as pessoas que estão sempre de bem com a vida, que resolvem seus problemas com tranqüilidade com aquele “jogo de cintura” maravilhoso. E percebi que se tem uma coisa que, com certeza, faz muita diferença é a assertividade , pois é uma das principais competências emocionais.
O que não é assertividade
Vamos começar entendo o que são comportamentos não assertivos.
O chefe que vai engolindo tudo o que não gosta até que   consegue abrir a boca e acaba gritando com seus funcionários. O assistente que não consegue dizer a palavra mágica "não", e faz até o serviço que não é dele. A pessoa que sente o estômago embrulhar quando precisa pedir algum favor a alguém.
E você, consegue ser assertivo? Você é daqueles que até tenta reagir, mas aquela resposta legal só vem à cabeça depois, quando não precisa mais – sofre da síndrome do “ahhh éeee é!!!” Então está faltando um pequeno ajuste no seu comportamento. Falta assertividade!
Você já viu uma pessoa que entra numa situação difícil mas   não conseguiu tomar uma posição clara e, depois, se sentiu decepcionado consigo mesmo? Ok, ele não foi assertivo.
Eis outro exemplo do que não é assertividade. Imagine a seguinte cena: você chegou cansado em casa, toca o telefone. É um amigo te convidando para ir num bar. Sua vontade é dizer não, você está morto, trabalhou o dia todo mas não quer magoar o amigo, então concorda, e sai sem vontade. Você acaba de dizer “sim” ao amigo mas disse “não” para você mesmo. Acabou de perder a chance de ser assertivo. Assertividade é afirmar o seu eu, é afirmar sua auto-estima.
Já ouvi muita gente se auto declarando assertiva, mas na realidade era mesmo muito agressiva. Os que   confundem assertividade com agressividade são aquelas pessoas que dizem assim: “Eu sou muito franco, sou sincero, digo mesmo tudo o que penso na cara!!!”. Essas pessoas nem estão percebendo o quanto são agressivas, pensam que estão corretas.
Outras pessoas   nem assumem suas posições, não são autênticas, acham que estão mantendo um bom clima, mas na realidade estão sendo engolidas pelos outros, por puro medo de se afirmar. De tanto medo de serem agressivas, acabam virando paçoca na mão do outro. Ou seja, são passivas e não assertivas.
O que é assertividade
Nossa conversa deve começar pelo entendimento da palavra assertividade. Segundo o dicionário, assertivo é “aquele que declara algo, positivo ou negativo, afirmação que é feita com muita segurança, em cujo teor acredita profundamente”. Assertividade vem de "asserto" que significa afirmação categórica.
Mas, veja bem, afirmar não é acertar! A pessoa assertiva não é aquela que acerta o tempo todo, é aquela que sabe se firmar.
É saber dizer “sim” quando quer dizer “sim” e, principalmente dizer “não”, quando quer dizer “não”.
Já percebeu quanto a assertividade está fazendo falta hoje?
Na verdade existem 4 tipos de comportamentos: o passivo, o agressivo, o passivo/agressivo e o assertivo.
Passivo
Passivo é aquele que engole desaforo. Ele não quer desagradar o outro então foge de conflitos. Se alguém entrar à frente dele na fila, fica torcendo para que a pessoa saia por si só, sem precisar pedir. Deixa que se aproveitem dele. Tem um colega no trabalho que tem o mesmo nível hierárquico, mas o tal colega teima em dar ordens e o cara que é passivo obedece. Ele costuma usar as frases: “Não quero incomodar. Não vou tomar seu tempo“. Tem a postura encolhida. Culpa a si próprio por tudo, precisa de aprovação, cede facilmente. Até é simpático mas, cá pra nós, é uma simpatia que causa muita angustia interna.
Agressivo
O segundo tipo de comportamento é o agressivo. Esse todo mundo conhece. Ele não pensa duas vezes pra levantar o dedo na cara do outro, pois tem necessidade de dominar. Ele menospreza e deprecia o outro. Furou a fila na frente dele, ele dá um grito que parece que mataram alguém. Se o colega pede pra ele fazer alguma coisa, ele já manda o colega para aquele lugar. É autoritário, intolerante, dono da verdade.
Passivo / Agressivo
Agora, o tipo mais curioso. Esse é aquele que consegue ser agressivo na “maciota”. Ele usa a ironia. Ele te agride contado uma piadinha. Ele te irrita, mas diz “só estou brincando”. Esse é aquele que vira para você e fala assim: “Nossa, tô vendo que suas férias foram mesmo muito boas, só que a geladeira não tirou férias”. Esse é o jeitinho “simpático” e passivo/agressivo de te chamar de gordo na sua cara. É o tipo de pessoa que não olha muito pra você, vira os olhos, é lacônico, dá indiretas, é sarcástico. E nem percebe que é manipulador. Faz chantagem emocional, distorce as palavras do outro.
Assertivo
Por fim, o comportamento mais adequado é o assertivo. Esse é aquele que quando lhe furam a fila   consegue se posicionar e falar com a pessoa com toda tranqüilidade e elegância. É aquele que sabe negociar. É transparente pra falar e sabe ouvir. Sabe ouvir criticas sem partir para o ataque pessoal. Tem a postura segura e comedida. Trata as pessoas com respeito. Aceita acordos. Vai direto ao ponto sem ser áspero.
Não digo que as pessoas tenham só um tipo de comportamento. Muitas vezes você foi agressivo com o colega de trabalho, mas acabou sendo passivo em casa. Mas essa flexibilidade só indica que é possível mudar um comportamento que não está valendo a pena. Ou seja, podemos desenvolver assertividade.
Não desenvolver assertividade acaba provocando o pior: você não consegue se sair bem em situações importantes, isso joga sua auto-estima lá para baixo. A baixa auto-estima gera outro comportamento inadequado, que gera reação negativa nas outras pessoas, que gera uma auto depreciação e novamente o comportamento inadequado. Ou seja, não acaba nunca! O comportamento não assertivo é uma bola de neve que se retroalimenta.
Porque é desejável ser assertivo?
Quanto mais assertivo você for, melhor vai lidar com os confrontos, terá menos estresse, mais confiança em você mesmo, saberá agir com mais tato, melhorará sua credibilidade, saberá lidar com as tentativas de manipulação, chantagem emocional, bajulação etc. Enfim, vai se sentir melhor e contribuir para que os outros também se sintam melhor.
Como aprender assertividade?
Uma dica importante é mudar o DIÁLOGO INTERIOR, de negativo para positivo. Aprender a monitorar sua conversa interna.
A outra dica é desenvolver a AUTOESTIMA. Descobrir que você merece respeito, descobrir seu valor como ser humano.
Estas novas atitudes podem ser desenvolvidas por meio de técnicas que vêm sendo elaboradas por psicólogos pesquisadores e a gente aplica em consultório, na terapia.
Na clínica, o psicólogo trabalho muito com isso. Recebemos muitas queixas de pessoas que vem para a terapia porque estão se sentindo pra baixo, não conseguem se colocar para o marido, ele sai com os amigos toda santa semana e ela lá em casa se sentindo uma boba.
Um tipo de caso que recebo muito é a pessoa que ficou responsável em cuidar dos pais idosos, mesmo tendo vários outros irmãos toda família achou muito confortável jogar tudo nas costas de um coitado só. Permitir que isso aconteça é falta de assertividade.
Você percebe a falta de assertividade em frases como “Não posso reagir mal quando alguém faz uma brincadeira comigo, porque vou perder o amigo”.
Outros consideram que não tem o direito de tomar o tempo valioso do outro. O tempo do outro sempre mais valioso que o seu, então fala até mais rápido para que o outro não perca tempo. Cede sua vez, mesmo quando tem direito. Tudo isso é falta de assertividade.
Como também a pessoa que acha que não deve incomodar os outros pedindo alguma coisa. A pessoa que acha que não se deve nunca entrar em conflito com os outros, mesmo quando têm razão. Tudo isso é falta de assertividade, porque muitas vezes, se você não se coloca, o outro ocupa um espaço maior do que lhe é devido, ou seja, as pessoas montam mesmo.
Você é assertivo?
Pense em você, em quantas vezes não engoliu sapos porque não disse o que deveria ter dito. Quantas vezes você fez coisas que te prejudicaram porque não conseguiu dizer “não”.
O mais importante é pensar agora sobre esse assunto e finalmente aprender a ser assertivo para ter mais da famosa inteligência emocional, mas principalmente para conseguir ter relacionamentos mais autênticos, tanto na vida pessoal como na profissional. E a única forma de ser feliz é você conseguindo ser você mesmo.
Um ponto extremamente importante,dentro do processo de aprender a ser mais assertivo é a empatia, ou seja, aceitar o outro. Você só vai conseguir ser assertivo se aceitar a assertividade do outro. Se você ficar melindrado e achar que o outro é grosso toda vez que ele for assertivo você vai limitar seu crescimento. Você só vai expressar a sua própria incompetência. Pense bem nisso!
Comunicação assertiva
A comunicação assertiva é transparente, honesta, objetiva e de mão dupla. Ou seja, o assertivo também aceita quando o outro é assertivo com ele, quando dizem as coisas de forma clara e objetiva.
Não gostaram do seu trabalho, não se sinta melindrado se falam sobre isso contigo, aceite. Mesmo porque não é saudável ter a pretensão de ser perfeito, você sabe que a vida é um eterno aprendizado, então agradeça a critica e corra para não errar mais. Ou, se a critica não proceder, saiba como não ouvir. Isso mesmo! Porque a gente precisa ouvir todo mundo? Os outros também erram.
Um exemplo do que é ser assertivo: Você chega ao seu prédio e encontra um carro estacionado na frente de sua vaga. O que você faz? Fica lá esperando até alguém aparecer? Se fizer isso você foi passivo. Ou você tira o zelador da cama e arma o maior barraco? Se fizer isso você foi agressivo. Então como é ser assertivo? E chamar o proprietário do carro e dizer: “Imagino que você deva ter alguma razão para colocar seu carro justamente na frente do meu. Mas não considero justo você impedir minha saída. Por gentileza, gostaria que você manobrasse seu carro para que eu possa sair”.
Assertividade é um direito
É claro que assertividade é um direito, não uma obrigação. É um direito que te dá uma série de vantagens. Mas você tem também o direito de não ser assertivo. Vamos dizer que você sabe que o vizinho deixou o carro dele na frente do seu porque ele foi demitido e chegou em casa arrasado e nem sabia mais o que estava fazendo. Por mais que ele esteja errado, talvez seja mais interessante você não criar mais problemas na vida dessa pessoa e aí você pode decidir, conscientemente, deixar essa pra lá. Assim, tudo bem, porque foi uma opção sua. Você pensou e decidiu não entrar na briga, fez com consciência. Está ótimo. Prejudicial   é quando você não é assertivo por medo. Assertividade está diretamente relacionada ao medo. Medo de não ser aceito, medo do outro. Medo de ser atacado. Medo de se expor. Medo de passar ridículo.
Passos para aprender assertividade
Saber o que quer e aonde quer chegar.
Se você não sabe aonde quer chegar, vai acabar chegando onde não quer. Seja claro com você mesmo, seja firme, direto e seguro. Mas como saber o que quer? Uma boa dica é se conhecendo, conhecer seus sentimentos, pensamentos, seus desejos, identificando quais são os seus valores.
Partir de um pensamento positivo.
Se você tiver expectativas altas, os resultados também vão ser altos. Mas com expectativas pequenininhas você vai conseguir isso mesmo e vai se frustrar por receber tão pouco da vida.
Ser proativo.
Ser proativo é observar com antecedência quais os possíveis problemas que possam aparecer. Você pode planejar e não permitir que esses problemas apareçam.
Resumindo: uma pessoa que sabe o que quer, acredita na sua capacidade e age proativamente, assume a responsabilidade por sua própria vida e está pronta pra se tornar uma pessoa assertiva.
Quer uma mãozinha em seu processo de auto aprimoramento? Conte com um psicólogo
Como psicóloga sou uma observadora assídua do comportamento humano, onde eu estiver observo como e porque as pessoas têm certas atitudes. Uma das coisas que mais me fascina é observar as pessoas que estão sempre de bem com a vida, que resolvem seus problemas com tranqüilidade com aquele “jogo de cintura” maravilhoso. E percebi que se tem uma coisa que, com certeza, faz muita diferença é a assertividade , pois é uma das principais competências emocionais.

O que não é assertividade

Vamos começar entendo o que são comportamentos não assertivos.
O chefe que vai engolindo tudo o que não gosta até que   consegue abrir a boca e acaba gritando com seus funcionários. O assistente que não consegue dizer a palavra mágica "não", e faz até o serviço que não é dele. A pessoa que sente o estômago embrulhar quando precisa pedir algum favor a alguém.
E você, consegue ser assertivo? Você é daqueles que até tenta reagir, mas aquela resposta legal só vem à cabeça depois, quando não precisa mais – sofre da síndrome do “ahhh éeee é!!!” Então está faltando um pequeno ajuste no seu comportamento. Falta assertividade!
Você já viu uma pessoa que entra numa situação difícil mas   não conseguiu tomar uma posição clara e, depois, se sentiu decepcionado consigo mesmo? Ok, ele não foi assertivo.
Eis outro exemplo do que não é assertividade. Imagine a seguinte cena: você chegou cansado em casa, toca o telefone. É um amigo te convidando para ir num bar. Sua vontade é dizer não, você está morto, trabalhou o dia todo mas não quer magoar o amigo, então concorda, e sai sem vontade. Você acaba de dizer “sim” ao amigo mas disse “não” para você mesmo. Acabou de perder a chance de ser assertivo. Assertividade é afirmar o seu eu, é afirmar sua auto-estima.
Já ouvi muita gente se auto declarando assertiva, mas na realidade era mesmo muito agressiva. Os que   confundem assertividade com agressividade são aquelas pessoas que dizem assim: “Eu sou muito franco, sou sincero, digo mesmo tudo o que penso na cara!!!”. Essas pessoas nem estão percebendo o quanto são agressivas, pensam que estão corretas.
Outras pessoas   nem assumem suas posições, não são autênticas, acham que estão mantendo um bom clima, mas na realidade estão sendo engolidas pelos outros, por puro medo de se afirmar. De tanto medo de serem agressivas, acabam virando paçoca na mão do outro. Ou seja, são passivas e não assertivas.

O que é assertividade

Nossa conversa deve começar pelo entendimento da palavra assertividade. Segundo o dicionário, assertivo é “aquele que declara algo, positivo ou negativo, afirmação que é feita com muita segurança, em cujo teor acredita profundamente”. Assertividade vem de "asserto" que significa afirmação categórica.
Mas, veja bem, afirmar não é acertar! A pessoa assertiva não é aquela que acerta o tempo todo, é aquela que sabe se firmar.
É saber dizer “sim” quando quer dizer “sim” e, principalmente dizer “não”, quando quer dizer “não”.
Já percebeu quanto a assertividade está fazendo falta hoje?
Na verdade existem 4 tipos de comportamentos: o passivo, o agressivo, o passivo/agressivo e o assertivo.

Passivo

Passivo é aquele que engole desaforo. Ele não quer desagradar o outro então foge de conflitos. Se alguém entrar à frente dele na fila, fica torcendo para que a pessoa saia por si só, sem precisar pedir. Deixa que se aproveitem dele. Tem um colega no trabalho que tem o mesmo nível hierárquico, mas o tal colega teima em dar ordens e o cara que é passivo obedece. Ele costuma usar as frases: “Não quero incomodar. Não vou tomar seu tempo“. Tem a postura encolhida. Culpa a si próprio por tudo, precisa de aprovação, cede facilmente. Até é simpático mas, cá pra nós, é uma simpatia que causa muita angustia interna.

Agressivo

O segundo tipo de comportamento é o agressivo. Esse todo mundo conhece. Ele não pensa duas vezes pra levantar o dedo na cara do outro, pois tem necessidade de dominar. Ele menospreza e deprecia o outro. Furou a fila na frente dele, ele dá um grito que parece que mataram alguém. Se o colega pede pra ele fazer alguma coisa, ele já manda o colega para aquele lugar. É autoritário, intolerante, dono da verdade.

Passivo / Agressivo

Agora, o tipo mais curioso. Esse é aquele que consegue ser agressivo na “maciota”. Ele usa a ironia. Ele te agride contado uma piadinha. Ele te irrita, mas diz “só estou brincando”. Esse é aquele que vira para você e fala assim: “Nossa, tô vendo que suas férias foram mesmo muito boas, só que a geladeira não tirou férias”. Esse é o jeitinho “simpático” e passivo/agressivo de te chamar de gordo na sua cara. É o tipo de pessoa que não olha muito pra você, vira os olhos, é lacônico, dá indiretas, é sarcástico. E nem percebe que é manipulador. Faz chantagem emocional, distorce as palavras do outro.

Assertivo

Por fim, o comportamento mais adequado é o assertivo. Esse é aquele que quando lhe furam a fila   consegue se posicionar e falar com a pessoa com toda tranqüilidade e elegância. É aquele que sabe negociar. É transparente pra falar e sabe ouvir. Sabe ouvir criticas sem partir para o ataque pessoal. Tem a postura segura e comedida. Trata as pessoas com respeito. Aceita acordos. Vai direto ao ponto sem ser áspero.
Não digo que as pessoas tenham só um tipo de comportamento. Muitas vezes você foi agressivo com o colega de trabalho, mas acabou sendo passivo em casa. Mas essa flexibilidade só indica que é possível mudar um comportamento que não está valendo a pena. Ou seja, podemos desenvolver assertividade.
Não desenvolver assertividade acaba provocando o pior: você não consegue se sair bem em situações importantes, isso joga sua auto-estima lá para baixo. A baixa auto-estima gera outro comportamento inadequado, que gera reação negativa nas outras pessoas, que gera uma auto depreciação e novamente o comportamento inadequado. Ou seja, não acaba nunca! O comportamento não assertivo é uma bola de neve que se retroalimenta.

Porque é desejável ser assertivo?

Quanto mais assertivo você for, melhor vai lidar com os confrontos, terá menos estresse, mais confiança em você mesmo, saberá agir com mais tato, melhorará sua credibilidade, saberá lidar com as tentativas de manipulação, chantagem emocional, bajulação etc. Enfim, vai se sentir melhor e contribuir para que os outros também se sintam melhor.

Como aprender assertividade?

Uma dica importante é mudar o DIÁLOGO INTERIOR, de negativo para positivo. Aprender a monitorar sua conversa interna.
A outra dica é desenvolver a AUTOESTIMA. Descobrir que você merece respeito, descobrir seu valor como ser humano.
Estas novas atitudes podem ser desenvolvidas por meio de técnicas que vêm sendo elaboradas por psicólogos pesquisadores e a gente aplica em consultório, na terapia.
Na clínica, o psicólogo trabalho muito com isso. Recebemos muitas queixas de pessoas que vem para a terapia porque estão se sentindo pra baixo, não conseguem se colocar para o marido, ele sai com os amigos toda santa semana e ela lá em casa se sentindo uma boba.
Um tipo de caso que recebo muito é a pessoa que ficou responsável em cuidar dos pais idosos, mesmo tendo vários outros irmãos toda família achou muito confortável jogar tudo nas costas de um coitado só. Permitir que isso aconteça é falta de assertividade.
Você percebe a falta de assertividade em frases como “Não posso reagir mal quando alguém faz uma brincadeira comigo, porque vou perder o amigo”.
Outros consideram que não tem o direito de tomar o tempo valioso do outro. O tempo do outro sempre mais valioso que o seu, então fala até mais rápido para que o outro não perca tempo. Cede sua vez, mesmo quando tem direito. Tudo isso é falta de assertividade.
Como também a pessoa que acha que não deve incomodar os outros pedindo alguma coisa. A pessoa que acha que não se deve nunca entrar em conflito com os outros, mesmo quando têm razão. Tudo isso é falta de assertividade, porque muitas vezes, se você não se coloca, o outro ocupa um espaço maior do que lhe é devido, ou seja, as pessoas montam mesmo.

Você é assertivo?

Pense em você, em quantas vezes não engoliu sapos porque não disse o que deveria ter dito. Quantas vezes você fez coisas que te prejudicaram porque não conseguiu dizer “não”.
O mais importante é pensar agora sobre esse assunto e finalmente aprender a ser assertivo para ter mais da famosa inteligência emocional, mas principalmente para conseguir ter relacionamentos mais autênticos, tanto na vida pessoal como na profissional. E a única forma de ser feliz é você conseguindo ser você mesmo.
Um ponto extremamente importante,dentro do processo de aprender a ser mais assertivo é a empatia, ou seja, aceitar o outro. Você só vai conseguir ser assertivo se aceitar a assertividade do outro. Se você ficar melindrado e achar que o outro é grosso toda vez que ele for assertivo você vai limitar seu crescimento. Você só vai expressar a sua própria incompetência. Pense bem nisso!

Comunicação assertiva

A comunicação assertiva é transparente, honesta, objetiva e de mão dupla. Ou seja, o assertivo também aceita quando o outro é assertivo com ele, quando dizem as coisas de forma clara e objetiva.
Não gostaram do seu trabalho, não se sinta melindrado se falam sobre isso contigo, aceite. Mesmo porque não é saudável ter a pretensão de ser perfeito, você sabe que a vida é um eterno aprendizado, então agradeça a critica e corra para não errar mais. Ou, se a critica não proceder, saiba como não ouvir. Isso mesmo! Porque a gente precisa ouvir todo mundo? Os outros também erram.
Um exemplo do que é ser assertivo: Você chega ao seu prédio e encontra um carro estacionado na frente de sua vaga. O que você faz? Fica lá esperando até alguém aparecer? Se fizer isso você foi passivo. Ou você tira o zelador da cama e arma o maior barraco? Se fizer isso você foi agressivo. Então como é ser assertivo? E chamar o proprietário do carro e dizer: “Imagino que você deva ter alguma razão para colocar seu carro justamente na frente do meu. Mas não considero justo você impedir minha saída. Por gentileza, gostaria que você manobrasse seu carro para que eu possa sair”.
Assertividade é um direito
É claro que assertividade é um direito, não uma obrigação. É um direito que te dá uma série de vantagens. Mas você tem também o direito de não ser assertivo. Vamos dizer que você sabe que o vizinho deixou o carro dele na frente do seu porque ele foi demitido e chegou em casa arrasado e nem sabia mais o que estava fazendo. Por mais que ele esteja errado, talvez seja mais interessante você não criar mais problemas na vida dessa pessoa e aí você pode decidir, conscientemente, deixar essa pra lá. Assim, tudo bem, porque foi uma opção sua. Você pensou e decidiu não entrar na briga, fez com consciência. Está ótimo. Prejudicial   é quando você não é assertivo por medo. Assertividade está diretamente relacionada ao medo. Medo de não ser aceito, medo do outro. Medo de ser atacado. Medo de se expor. Medo de passar ridículo.

Passos para aprender assertividade

-Saber o que quer e aonde quer chegar.
-Se você não sabe aonde quer chegar, vai acabar chegando onde não quer. Seja claro com você mesmo, seja firme, direto e seguro. Mas, como saber o que quer? Uma boa dica é se conhecendo, conhecer seus sentimentos, pensamentos, seus desejos, identificando quais são os seus valores.
-Partir de um pensamento positivo.
-Se você tiver expectativas altas, os resultados também vão ser altos. Mas com expectativas pequenininhas você vai conseguir isso mesmo e vai se frustrar por receber tão pouco da vida.
-Ser proativo.
-Ser proativo é observar com antecedência quais os possíveis problemas que possam aparecer. Você pode planejar e não permitir que esses problemas apareçam.
Resumindo: uma pessoa que sabe o que quer, acredita na sua capacidade e age proativamente, assume a responsabilidade por sua própria vida e está pronta pra se tornar uma pessoa assertiva.
Quer uma mãozinha em seu processo de auto aprimoramento? Conte com um psicólogo

assertividadeEntrevista cedida pela psicóloga Marisa de Abreu  para Revista Nova

 

Assertividade é saber: Como tratar assuntos delicados com amiga

-Momento ideal para tocar em assuntos delicados

Quando perceber que a amiga esta receptiva, não está estressada com outros assuntos e se perceber que esta conversa a ajudará e não a deixará mais encanada do que seria necessário.
-É importante que as duas amigas estejam sozinhas
O ideal seria não ter a presença de outras pessoas que poderiam mudar o tom da conversa que você gostaria de ter, pois é possível que você tenha todo o jeito para falar com a amiga mas a outra pessoas presente não tenha o mesmo tato e passe a falar mal desta amiga de uma forma tão desajeitada que o resultado acaba sendo o oposto do desejado.

-Como abordá-la antes de começar a tocar no assunto

Sem muitos rodeios, pois quanto mais você valoriza o assunto mais dá a impressão que o caso dela é muito, mas muito grave mesmo quando na verdade estamos falando de apenas de aspectos físicos, e sua aparência não reflete quem esta amiga é como pessoa.
-Como dizer para uma amiga que ela engordou
Sou a favor de colocações bem objetiva: “Você ganhou peso ultimamente, quer uma ajuda para voltar a sua boa forma habitual”. Este tipo de colocação mais objetiva funciona melhor quanto mais intimidade você tiver com a amiga e quanto mais você for natural, ou seja, não dê a impressão de estar  julgando ou condenando, apenas dando um toque para que a amiga fique melhor. Quanto mais você deixar claro que está falando  com o desejo de que ela fique bonita mais fácil será.
É importante também que você identifique se ela deseja toques para melhorar a aparência. Caso não seja esta a prioridade da amiga o melhor é não dizer nada. Caso seja você a incomodada com a aparência da amiga você tem uma oportunidade para  melhorar sua ansiedade em mudar as outras pessoas.

-Como dizer para uma amiga que ela precisa se depilar

Em primeiro lugar você está determinando que ela precisa se depilar, ou seja, pelos seus padrões de beleza ela precisa se depilar, mas esta amiga pode seguir outros padrões, se for este o caso ela deve ser respeitada.
Caso a própria amiga esteja se descuidando e não faz depilação há algum tempo devido a problemas pessoais, você pode dizer a ela que mesmo que estes problemas sejam difíceis de resolver ela, talvez, consiga um folego  melhorando sua auto estima com a depilação.
Caso ela tenha apenas se distraído, ou com problemas com seus óculos que não permitem que ela veja detalhes pequenos como a depilação, tudo fica mais fácil, aí é só oferecer sua depiladora, seu aparelho de depilar, ou o que você  usar.

-Como dizer para uma amiga que ela errou

Caso ela mesma não tenha percebido que errou (muitas vezes a pessoa percebeu seu erro mas não quer admitir em publico, mas já está tomando providencias para não errar mais ou corrigir o erro) você pode sim dizer que achou que sua sobrancelha, por exemplo,  poderia ficar melhor se fosse tirada de outra forma. Você pode começar a conversa assim: “Olha, não fique brava comigo, acho você linda mas não se você percebeu mas pelo formato de seus olhos, eu acho que você teria muito mais harmonia em seu rosto se a sobrancelha fosse tirada de outra forma, estou dando só minha opinião, veja por você mesma o que você acha”
O que pode ou não falar depende sempre do que você sabe sobre esta amiga. Se ela for muito sensível não diga nada que a magoe. Se ela estiver exagerando no botox por se sentir insegura e quer a todo custo ficar mais bonita e esta conseguindo o efeito oposto diga isso à ela da forma mais carinhosa possível. Nunca assuma uma postura do tipo “você está ridícula e eu sei tudo sobre estética”. Mostre a ela que tudo o que pode embelezar tem um limite, que se for ultrapassado passa a ficar desarmonioso, principalmente se ela olhar sempre de frente para o espelho e não ver a imagem lateral de seu próprio rosto. Pergunte porque ela está tão ansiosa em melhorar a aparência e veja se não é o caso de recomendar que procure um psicólogo para elaborar as inseguranças e poder superar.

-Ambiente ideal para ter essa conversa

Num lugar onde a amiga se senta confortável, de preferencia em lugares que sejam seu domínio, por exemplo na casa da amiga ou no escritório dela. Você não deve faze-la se sentir acuada, mas a vontade para rebater suas dicas. Não mantenha a defensiva e não seja insistente,  caso a amiga diga que não concorda de apenas um ok e mude de assunto. Você pode ter plantado uma sementinha que será germinada com o tempo e a ajudará a se cuidar melhor.

- Dicas práticas que funcionem para todos os casos

Ahhh, se isso existisse! Cada pessoa é um ser único, e cada um tem suas fragilidades e pontos fortes. O que funciona para todos os casos seria a percepção do que seria aceitável para esta amiga em questão.
Se você é a amiga que deseja dicas que não podem falhar eu recomendaria uma auto analise que a ajude a entender o porque deste medo de errar. Entenda que ser amiga implica em errar algumas vezes, não de proposito, mas você só vai saber o que dá certo ao tentar. O pior erro é não tentar. Use cada erro como aprendizado de forma que da próxima vez você consiga ser a amiga que deseja.

– Vale se oferecer para ajudá-la a mudar

Vale e muito, isso demonstra que você realmente quer o melhor para a amiga e não ser apenas uma critica chata. Se você se esforçou para dar a dica para a amiga dizendo que ela não está legal, que está desleixada ou exagerando na maquiagem ou algo assim use esta mesma motivação para identificar quais seriam os caminhos para que esta amiga fique mais bonita.

-O que fazer se ela reagir mal

Peça desculpa. Seja sincera na desculpa. Alias é bem provável que ela se sinta mal, mesmo com todo o cuidado você está informando que ela não está tão bem quanto imaginava, você está dizendo que  ela se enganou ou que está dando uma impressão ruim as pessoas a sua volta. Não tem como gostar desta noticia, todo mundo gosta de elogio. É comum as pessoas ficarem bravas com o portador da noticia, mesmo que ele não tenha nenhuma responsabilidade, mas as pessoas podem superar quando percebem que o toque foi realmente feito com amor.

- Brincadeiras e e uso do humor pode pega mal

A brincadeira pode parecer ironia, que é uma forma de agressão bem chatinha. É preferível falar de forma séria mas sem drama. Seja branda, curta, e só desenvolva mais a conversa caso a amiga demonstre interesse em se aprofundar na informação.

-O tempo de amizade não  influencia na maneira como essa conversa vai acontecer

Algumas pessoas conseguem uma boa espontaneidade no relacionamento logo de cara. Mas o tempo pode ajudar a a maioria das amizades, pois forma  um histórico de bons momentos que suportam alguns pequenos baques como este.

- Há casos nos quais é melhor não falar nada

Algumas pessoas, ou alguns momentos, tem outras prioridades. A aparência da pessoa pode esperar caso ela tenha sido demitida, o namorada a largou, a família se desintegrou. Outras pessoas não tem nada tão grave acontecendo mas mesmo as pequenas situações do dia a dia são tão estressantes como se fossem casos de vida ou morte. Para estas pessoas demonstre sua amizade dando apoio independente da aparência da amiga. Só abra a boca para mencionar a aparência quando esta dica ajudar de alguma forma.

-Tudo pode ser dito

Tudo pode ser dito se estiver dentro do contexto. Só não pode ser dito quando for invasão ou critica pura de sua parte. Caso você pretenda usar um desleixo da amiga para se sentir superior fique quieta.
Mantenha a boca fechada também quando perceber que não tem estrutura para receber uma reação negativa. Esteja preparada para lidar com fragilidades que talvez você não soubesse que existissem. Esteja preparada para ouvir, e ouvir muito, caso a amiga esteja desleixada por estar deprimida e prepare-se também para dar outra dica muitíssimo importante – procurar um psicólogo caso o desleixo seja um sintoma de questões emocionais mais profundas.

-Difícil para ambos os lados

Oferecer este tipo de dica para amiga é difícil para quem ouve mas também é muito difícil para quem fala. Mas esta dificuldade é positiva, pois demonstra interesse em não magoar.
Você também deve respeitar a possibilidade de sua amiga não desejar mudar nada.
Não cuidamos de nós mesmos apenas para ficar bonitas, nos cuidamos por amor próprio, para executar rituais introspectivos de puro autoconhecimento. Se você tiver isto em mente e não estiver preocupada apenas com a vergonha que está passando ao lado da amiga desleixada (egoísmo) você estará se desenvolvendo , e muito, como ser humano.

Gostará de ler também:

bom humorBom humor é contagiante

 

 

dizer nãoCriança entende o "não"?

agende sua comsulta Escolha aqui seu Psicologo
Quanto custa a psicoterapia e informações gerais


Consulta com psicólogo - Agende aqui


*O material deste site é informativo, não substitui a terapia ou psicoterapia oferecida por um psicólogo.

Dicas e Tratamentos

Agende uma Consulta

marcar_consulta

Cómo chegar

Unidade I: Rua Bela Cintra, 968, São Paulo ( Veja o mapa )

Unidade II: Rua Frei Caneca, 33, São Paulo ( Veja o mapa )

Fone central: (11) 3262-0621

Compartilhe!