Unidade I: Rua Bela Cintra, 968 (Av. Paulista) São Paulo / Unidade II: Rua Frei Caneca, 33 - Centro, São Paulo / Fone central: (11) 3262-0621

Insegurança

AddThis Social Bookmark Button
Um dos motivos mais freqüentes para uma pessoa procurar, e se beneficiar com a  psicoterapia é a insegurança.
Como identificar um inseguro?
Percebe-se insegurança quando você se sente incapaz de realizar uma tarefa mesmo estando plenamente capacitado para tal, como por exemplo quando você se sente incapaz de falar diante de um grupo de pessoas, você tem todo conhecimento sobre o assunto que irá falar, mas ainda assim não consegue fazer sua colocações, na hora H você trava. Isso é Insegurança!
Muitas vezes você se sente inseguro porque não sabe “que sabe”, nunca se deu a oportunidade de testar sua própria capacidade, você tem uma crença de que não consegue, e essa crença limitante não te deixa deslanchar.
A insegurança também aparece quando você não consegue ter iniciativa diante de atividades que   você gostaria muito de participar, por exemplo, ir numa festa, puxar conversa com alguém interessante, ir ao clube, ir à ginástica. Às vezes você precisa fazer certas coisas e a insegurança não te deixa fazer como por exemplo fazer um curso, pedir ajuda num trabalho, etc.
A insegurança aparece até quando você sabe que precisa fazer a sua própria terapia, e por medo do que dizer ao psicólogo e insegurança em pedir ajuda pensa “o que o psicólogo vai pensar”, “será que eu consigo conversar com a psicóloga”, ou “será que eu consigo pagar?” Consegue, mas é preciso ter a iniciativa de ligar para o consultório e marcar o seu horário. Claro que você só vai conseguir mudar se tentar, se não tentar vai continuar igual. Você sabe que precisa mudar, você sabe que vai ganhar muito quando se livrar das suas inseguranças, mas é a própria insegurança que te impede de pedir ajuda emocional. Eu faço questão que você saiba, você pode contar com um especialista, o psicólogo é a pessoa que além de ter as técnicas pra te ajudar é a pessoa que tem vocação e vontade para tratar as fragilidades humanas.
O que gera insegurança?
O que está por trás da insegurança é sempre um medo, medo de ser rejeitado, medo de que as coisas não dêem certo, medo de ficar só, medo de ficar pobre, de ficar desempregado, etc.
Muitas vezes aparece o medo de não saber reagir se a outra pessoa for agressiva. Quantas vezes a gente fica quietinho por medo do que o outro pode fazer. Você corre o risco de topar com uma pessoa que não te respeita, que te humilha, o que você vai fazer? Quando você não sabe a resposta é por que você está fugindo desse tipo de situação. Qualquer indicio de topar com uma pessoa difícil, parece que vai ser insuportável. Sua insegurança cochicha no seu ouvido “fique fora dessa, você não vai dar conta”.
Outras vezes então bate insegurança quando você não se sente bem para dar sua opinião, de dizer o que pensa, é o medo de se afirmar, de ser você mesmo.
Você percebe que uma pessoa é insegura quando adia interminavelmente as coisas, “ depois eu faço”, e não faz nunca. Adia uma conversa, adia uma compra, adia uma atitude, adia um curso, adia sua psicoterapia.
Insegurança é o mesmo que covardia?
São as pessoas inseguras que se autodenominam de “covardes” – neste ponto a auto-estima já está lá embaixo. A insegurança derruba com sua auto-estima.
A insegurança vem sendo estudada pela psicologia desde que a psicologia existe. Os mais antigos filósofos já estudavam a insegurança.
Existe correlação entre insegurança e depressão?
A psicologia percebeu que a insegurança permeia e age como uma base para a depressão e para a ansiedade sócio avaliativa -   ansiedade ligada à sua preocupação sobre o que os outros pensam de você “será que ele acha que eu sou burra, será que ele me acha um perdedor, o que será que pensam de mim”.
A insegurança é base das crenças irracionais. Crenças irracionais são aquelas idéias que você coloca na cabeça mas que não fazem sentido nenhum mas mesmo assim você acredita nelas. Ex: “Eu preciso ser linda para que os outros me amem e me dêem valor”. As crenças disfuncionais estão por trás de todo sofrimento humano, sofrimento psicológico, sofrimento mental – depressão.
Como e porque as pessoas ficam inseguras?
Será que você nasceu inseguro?
Uma coisa é certa, o ser humano nasce indefeso e dependente. O bebê precisa de que lhe dêem comida, que lhe dêem banho, precisa dos outros pra ficar quentinho, e principalmente para ter afeto, mas a partir de uma certa idade começa a surgir a independência. Independência é a percepção de que você pode fazer as coisas por você mesmo, mas para algumas pessoas esse processo não acontece facilmente, esse processo de ter iniciativa, perceber sua capacidade de realizar coisas, que é o que em psicologia chamamos de independência de desempenho, algumas pessoas não desenvolvem esse processo.
Alguns mantém uma necessidade muito forte de ser aceito pelos outros. Por quê?
Alguns por que têm uma personalidade insegura, outros porque passaram por tanta dificuldade na vida, por eventos incapacitantes, que deixaram a pessoa mais sensível e mais insegura.
Por exemplo, tive uma paciente que quando criança teve um problema de saúde muito sério, os médicos não sabiam exatamente o que era, ela ficou muitos anos quase desenganada, hoje ela tem quase 40 anos, mas não pode ouvir uma ambulância que começa a tremer, não pode ter um resfriado que acha que vai morrer. É claro, ela ficou esperando a morte por tanto tempo, finalmente os médicos descobriram que o problema de saúde pode ser tratado com tranqüilidade. Mas ela criou uma crença (olha a crença aí) uma crença de que estava a beira da morte eternamente. Hoje, racionalmente, ela sabe que isso não é verdade, mas emocionalmente ela ainda se comporta como se isso fosse verdade, na realidade se comportava porque ela já saiu da terapia renovada, hoje vive a vida dela com tranqüilidade, sem essas inseguranças.
Quando alguém passa por situações desse tipo, passa a viver cheia de dúvidas, “Será que eu consigo? será que serei aprovada? será que fulano não é muita areia pro meu caminhãzinho?”.
É importante dizer que uma situação que foi forte e marcante para um, pode ser vivido com tranqüilidade por outro, não adianta pensar “eu sou inseguro, mas nunca estive entre a vida e a morte”. Esse foi só um exemplo, cada um tem a sua estória, cada um responde de forma diferente para as mesmas situações.
O inseguro não se vê capaz de “fazer acontecer” ele se sente refém dos outros, refém do destino, só vai ter promoção se o chefe quiser, só fará um curso se alguém convidar, só conversará com alguém se o outro puxar conversa.
Existe relação entre insegurança e sentimento de inferioridade?
O inseguro se sente inferior. É o caso um paciente advogado que achava que qualquer outro advogado sabia mais, era mais poderoso, até os estagiários.
O sentimento de inferioridade é reforçado pela evitação das situações mais difíceis, o não enfrentamento. Devido à falsa crença de ser incapaz. Crença esta que não é considerada uma crença, a pessoa crê ser verdade que ela é menos do que o outro. Ela até consegue “provas”, por exemplo, uma pessoa que tem a seguinte crença “ninguém gosta de mim“, vai à festa, mas fica muito chateada porque ninguém conversou com ela, e diz: “Tá vendo, eu sabia que ninguém gostava de mim”, mas, quem estava na festa viu que foi ela que ficou de cabeça baixa o tempo todo, ou seja, ela se boicotou. Ela faz com que sua crença se confirme. A crença de que ninguém gosta dela não é verdadeira, ela é que se boicota.
Você já se observou, já analisou o quanto está se boicotando?
O que é desesperança?
A desesperança é a sensação de que não tem o que fazer, a sensação de não ter forças para mudar nada, é aí que entra a culpa, a pessoa se acha uma fraca, se acha um fracasso.
Sabendo de todo esse processo é que nós, os psicólogos, conseguimos formular técnicas e estratégias e aplicamos na terapia para reverter a insegurança. A pessoa sai da terapia com outras atitudes. É isso que interessa, não só se sentir melhor, mas fazer coisas melhores por você mesmo, ser uma pessoa diferente do que você vem sendo até hoje.
Essa parte da psicoterapia é a que eu mais gosto, incorporar novas atitudes, conseguir se ver uma forma diferente, ver o mundo de uma forma mais realista, e não com a visão deturpada do inseguro.
O que é auto conceito?
Auto conceito é o que você pensa a seu próprio respeito, são as coisas que você se vê capaz de fazer.
O seu auto conceito pode ser muito contaminado por erros de percepção. Exemplo: um colega passa por você e não te cumprimenta, você começa a imaginar que ele está com raiva de você, ele te despreza, ele não liga para você, e você conclui que você não vale muita coisa, que você não é importante (e esse é outro exemplo de crença limitante).
Vamos analisar: Será que sua percepção estava correta? É possível que o colega tenha deixado de te cumprimentar porque estava distraído, ou por estar sem óculos? Ou vamos aceitar que ele não te cumprimentou porque não quis mesmo, ele estava chateado nesse dia e não quis te cumprimentar, será que você não está sendo injusto com você mesmo quando conclui que você vale menos só porque este colega não te cumprimentou?
Auto conceito e auto-estima são a mesma coisa?
O auto conceito tem também um aspecto de avaliação, como você se vê é uma coisa, agora o quanto você gosta do que vê é outra coisa, essa avaliação é a auto-estima.
O quanto você se aprova determina o seu nível da auto-estima.
A auto-estima funciona assim: na verdade todo mundo tem dentro de sua própria cabeça um “eu ideal”, que é tudo o que você gostaria de ser, às vezes você nem tem consciência de que tem esse “eu ideal” dentro da sua cabeça, mas existe sempre um perfil de tudo o que você gostaria de ser, fazer , como gostaria de se parecer , o quanto gostaria de ganhar , que coisas você gostaria de realizar.
Aí começa a encrenca, quando a realidade está muito longe do seu eu ideal você fica muito insatisfeito com você mesmo, quando você não alcança suas metas , mesmo que você não tenha consciência de que metas são essas, você fica muito angustiado, e talvez nem perceba de onde vem essa angustia. É por isso que a gente tem muitas angustias e não sabe da onde elas vem, vem dos objetivos internos que não são realizados.
A angustia vem tanto do fato de você não ser da forma q você gostaria de ser, como também de não se perceber capaz de conseguir ser como você queria, você fica decepcionado com você mesmo.
Como a psicoterapia trabalha a auto-estima?
1.      O psicólogo Identifica qual é seu auto conceito e avalia a sua auto-estima.
2.      Estabelece metas terapêuticas, verá qual é o seu objetivo.
3.      Aplica estratégias, técnicas terapêuticas, para que você perceba que você é muito mais capaz do que está imaginando agora.
Porque as pessoas chegam a níveis tão baixos de auto-estima?
Porque elas não conseguiram atingir seu “eu ideal”, a pessoa se compara com os outros e acaba achando que ele é pior do que todo mundo.
Outra coisa que derruba a auto-estima de qualquer um é o famoso “desamparo aprendido”, ou seja o desamparo se dá quando a pessoa passou por experiências muito frustrantes, talvez situações traumáticas, e vai se achando insuficiente, inútil, incapaz, de mudar isso tudo na vida dela.
O desamparo aprendido deixa a pessoa desmotivada, passiva, sem aquele mínimo de energia para encarar a vida , ela fica apática.
Insegurança e auto-estima rebaixada acontecem porque tem uma longa distancia entre o que a pessoa gostaria de ser e o que ela realmente conseguiu ser. Inicia-se uma série de pensamentos muito negativos, talvez ela se ache feia, chata, baixinha, alta demais, sem graça, ou o que for.
Percepção de futuro
A expectativa negativa quanto a comportamentos futuros, ou seja, não conseguir imaginar um futuro diferente do que está vivendo hoje, se está ruim agora vai continuar ruim para sempre.
Pode acontecer outra distorção, tudo o que acontece de bom para ela, ela diz que foi sorte, tudo o que acontece de ruim ela diz que é porque ela é incapaz mesmo. Ex: se alguém sorriu e conversou com ela, é porque o outro é que é muito bacana, isso não significou que ela é que é interessante, mas quando alguém a desconsidera aí ela acha que é porque ela é que é insignificante mesmo
Qual o melhor  tratamento para a insegurança?
Tendo em vista tudo isso é claro que o tratamento para a insegurança só pode ser um tratamento cognitivo, um trabalho com os pensamentos onde a cabeça da pessoa possa mudar, de forma que ela consiga ver que ela é capaz sim de fazer as coisas acontecerem na vida dela.
Você pode sim aprender a mudar a sua própria vida, a proposta da minha linha de terapia é justamente essa, te ensinar a mudar o seu pensamento, mudar seus sentimentos, não sentir mais angustia, tristeza, desesperança, ansiedade, e também é claro, mudar suas atitudes.
Quais aspectos são trabalhados na psicoterapia?
Desenvolvem-se habilidades específicas que te levam a alcançar todos os objetivos traçados logo no inicio da terapia, são as metas terapêuticas. Nas primeiras sessões a gente já estabelece como você quer estar no dia da alta, e vamos atingindo suas metas.
Quais são as melhores metas terapêuticas?
Podem ser várias. Uma meta bacana pode ser você conseguir conversar tranqüilamente com qualquer pessoa, que pode ser seu chefe, seu professor, uma paquera. Uma meta que costumamos ter lá na clínica é a de iniciar um relacionamento, pois ninguém gosta de ficar só, não é mesmo? Ou a meta de conseguir se colocar afirmativamente diante das pessoas, sem ser agressivo, e claro sem engolir sapos também.
A insegurança afeta o desempenho financeiro?
Já trabalhei muito o desempenho financeiro com meus pacientes. Muitas vezes sua vida financeira está um desastre porque você está desmotivado, não procura coisas novas pra você, ou porque você não está conseguindo fazer o seu chefe ver o seu potencial, a insegurança faz a gente se autoboicotar, e muito, principalmente em entrevista de emprego, a pessoa trava, não consegue mostrar o melhor de si. Se você tem seu próprio negócio sua insegurança pode estar te impedindo de alavancar seus negócios, ter liderança com seus funcionários, ou falta dinamismo para procurar novos clientes, ou para desenvolver melhor o seu produto.
A insegurança faz da pessoa um “desistente”, tentou uma vez, não deu certo, larga! Mas a importância da persistência é muito grande.
Por exemplo, o escritor Stephen King, hoje está milionário mas seu primeiro livro “Carrie a Estranha” foi recusado por 200 editores, se não fosse sua persistência hoje esse escritor não teria o sucesso que tem.
Você só consegue ser persistente se eliminar a insegurança.
A psicoterapia dá resultado no que se refere à insegurança?
Usando os procedimentos que são passados na terapia, praticando as estratégias, com certeza o resultado é uma mudança bem significativa, percebemos clara mudança nas atitudes, mudanças de pensamento, no modo de ver a vida, e na força para enfrentar tudo o que ode ainda acontecer.
O resultado é um senso de poder pessoal muito maior, a pessoa se sente mais segura, mais confiante, desenvolve novas habilidades e passa a reconhecer habilidades que sempre teve, mas que nunca usou.
"Cuide dos seus pensamentos, com eles você pode fazer qualquer coisa". (Platão)

Como identificar insegurança

Percebe-se insegurança quando você se sente incapaz de realizar uma tarefa mesmo estando plenamente capacitado para tal, como por exemplo quando você se sente incapaz de falar diante de um grupo de pessoas, você tem todo conhecimento sobre o assunto, mas ainda assim não consegue fazer sua colocações, na hora H você trava. Isso é Insegurança!

Muitas vezes você se sente inseguro porque não sabe “que sabe”, nunca se deu a oportunidade de testar sua própria capacidade, você tem uma crença de que não consegue, e essa crença limitante não te deixa deslanchar.

A insegurança também aparece quando você não consegue iniciativa diante de atividades as quais gostaria muito de participar, por exemplo, ir numa festa, puxar conversa com alguém interessante, ir ao clube, ir à ginástica.

Às vezes você precisa fazer certas coisas e a insegurança não te deixa fazer como por exemplo fazer um curso, pedir ajuda num trabalho, etc.

 

O que gera insegurança

O que está por trás da insegurança é sempre um medo, medo de ser rejeitado, medo de que as coisas não deem certo, medo de ficar só, medo de ficar pobre, de ficar desempregado.  Muitas vezes aparece o medo de não saber reagir caso outra pessoa seja agressiva. Quantas vezes a gente fica quietinho por medo do que o outro pode fazer. Você corre o risco de topar com uma pessoa que não te respeita, que te humilha, o que vai fazer? Quando você não sabe a resposta é por que você está fugindo de situações como esta. Qualquer indicio de topar com uma pessoa difícil, parece que vai ser insuportável. Sua insegurança cochicha no seu ouvido “fique fora dessa, você não vai dar conta”.  Outras vezes então bate insegurança quando você não se sente bem para dar sua opinião, de dizer o que pensa, é o medo de se afirmar, de ser você mesmo.  Você percebe que uma pessoa é insegura quando adia interminavelmente as coisas, “ depois eu faço”, e não faz nunca. Adia uma conversa, adia uma compra, adia uma atitude, adia um curso, adia sua psicoterapia.

Insegurança é o mesmo que covardia?

São as pessoas inseguras que se autodenominam de “covardes” – neste ponto a autoestima já está muito rebaixada. A insegurança derruba a auto-estima.

Insegurança X depressão

A psicologia percebeu que a insegurança permeia e age como uma base para a depressão e para a ansiedade sócio avaliativa -   ansiedade ligada à sua preocupação sobre o que os outros pensam de você onde os seguintes pensamentos são frequentes: “será que ele acha que eu sou burra, será que ele me acha um perdedor, o que será que pensam de mim”.

A insegurança é base das crenças irracionais. Crenças irracionais são aquelas idéias que você mantém mesmo que mas que não façam sentido, mas ainda assim você acredita nelas. Ex: “Eu preciso ser linda para que os outros me amem e me dêem valor”. As crenças disfuncionais estão por trás de todo sofrimento humano, sofrimento psicológico, sofrimento mental.

Porque as pessoas tornam-se inseguras

Será que você nasceu inseguro?   Uma coisa é certa, o ser humano nasce indefeso e dependente. O bebê precisa de que lhe deem comida, que lhe deem banho, precisa dos outros para ficar quentinho, e principalmente para ter afeto, mas a partir de uma certa idade começa a surgir a independência. Independência é a percepção de que você pode fazer as coisas por você mesmo, mas para algumas pessoas esse processo não acontece facilmente, esse processo de ter iniciativa, perceber sua capacidade de realizar coisas, que em psicologia chamamos de independência de desempenho, ocorre com muita dificuldade.

Necessidade em ser aceito

Alguns  têm uma personalidade insegura, outros passaram por algumas dificuldades e eventos incapacitantes que o enfraqueceram  tornando-o mais sensível e inseguro.   Por exemplo, houve uma paciente que  quando criança passou um problema de saúde muito sério, os médicos não tinham o diagnóstico exato e isto e deixou  muitos anos quase desenganada. Hoje ela tem quase 40 anos e não pode ouvir uma ambulância sem tremer, não pode ter um resfriado sem achar que vai morrer. Isto acontece por  ela ter esperado a morte por muito tempo. Finalmente os médicos descobriram a origem de seu problema e pode ser tratada com sucesso mas ainda assim ela criou uma crença de que estava a beira da morte eternamente. Hoje, racionalmente, ela sabe que isso não é verdade, mas emocionalmente  ainda se comporta como se fosse verdade (na realidade se comportava porque ela já saiu da terapia renovada, hoje vive a vida com tranqüilidade, sem inseguranças).

Quando alguém passa por situações desse tipo, passa a viver cheia de dúvidas: “Será que eu consigo? Será que serei aprovada?.

 

Insegurança X sentimento de inferioridade

O inseguro não se vê capaz de “fazer acontecer” pois se sente refém dos outros e do destino. Acredita que só conseguirá uma promoção se o chefe assim o quiser, só fará um curso se alguém convidar, só conversará com alguém se o outro puxar conversa.

O inseguro se sente inferior. Por exemplo o caso um paciente, advogado, que achava que qualquer outro advogado sabia mais que ele, qualquer outro era percebido como mais poderoso, até os estagiários.

A evitação reforça o sentimento de inferioridade pois quando não enfrentamos uma situação difícil não nos damos a oportunidade de vence-la, e a cada derrota aumenta a insegurança e o sentimento de inferioridade.

A falsa crença de incapacidade faz com que a pessoa se veja sempre  com  menos valor que o outro. Alguns até  conseguem “provas” de serem inferiores, por exemplo, uma pessoa que tem a seguinte crença: “ninguém gosta de mim“, pode ser convidado a uma festa mas fica muito chateada porque ninguém conversou com ela, e diz: “Está vendo, eu sabia que ninguém gostava de mim”, mas, quem estava na festa viu que ela  ficou de cabeça baixa o tempo todo. Ou seja, ela se boicotou. Ela faz com que sua crença se confirme. A crença de que ninguém gosta dela não é verdadeira, o que ocorre é um auto boicote.

Você já se observou, já analisou o quanto está se boicotando?

 

Desesperança

A desesperança é a sensação de que não há o que fazer ou não ter forças para mudar seu próprio destino.

A  culpa costuma acompanhar a desesperança pois faz com que a pessoa acredite que seja um fracasso por não ter conseguido fazer muito em prol de si mesmo.

Sabendo de todo esse processo é que nós, os psicólogos, conseguimos formular técnicas e estratégias para aplicarmos em terapia com a finalidade de reverter a insegurança. A expectativa é que a pessoa saia da terapia com novas atitudes. É isso que interessa, não só se sentir melhor, mas fazer coisas melhores por você mesmo, ser uma pessoa diferente do que você vem sendo até hoje.   Essa parte da psicoterapia é a que eu mais gosto, incorporar novas atitudes, conseguir ver a si mesmo de uma forma diferente, ver o mundo de uma forma mais realista, e não com a visão deturpada do inseguro.

 

Insegurança afeta o desempenho financeiro

É possível que a insegurança afete o desempenho financeiro pois a desmotivação impede a procurar novas  possibilidades quando necessário. A insegurança impede, por exemplo,  que esta pessoa faça seu chefe ver seu potencial.

A insegurança provoca autoboicote em situações muito importantes como por exemplo em entrevista de emprego onde é possível travar e não mostrar o melhor de si.

Se você tem seu próprio negócio a insegurança pode estar te impedindo de manter a liderança, o dinamismo para procurar novos clientes, ou desenvolver melhor o seu produto.

A insegurança faz da pessoa um “desistente”, tentou uma vez, não deu certo, larga! Mas a importância da persistência é muito grande.

 

Percepção distorcida de futuro

A expectativa negativa quanto a comportamentos futuros, ou seja, não conseguir imaginar um futuro diferente do que está vivendo hoje provoca uma percepção distorcida de futuro.

Esta distorção pode ser iniciada devido a forma como a pessoa explica os acontecimentos atuais, neste caso a pessoa considera os acontecimentos positivos como “sorte”   mas os acontecimentos negativos são vistos como responsabilidade própria, ou seja se considera incapaz de realizar coisas boas. Ex: Se alguém sorriu e conversou alegremente com esta pessoa é porque o outro é muito bacana, mas quando alguém a trata de forma desrespeitosa esta pessoa acha que isso aconteceu devido a sua insignificância como ser humano.

 

Autoconceito

Autoconceito é o que você pensa a seu próprio respeito incluindo as coisas que você se vê capaz de fazer.

O seu autoconceito pode ser muito contaminado por erros de percepção. Exemplo: um colega passa por você e não cumprimenta. Você começa a imaginar que ele está com raiva de você, talvez pense que ele te despreza, ele não liga para você, e você conclui que não tem muito valor como pessoa ou que você não seja importante.

Vamos analisar: Será que sua percepção estava correta? É possível que o colega tenha deixado de te cumprimentar porque estava distraído, ou por estar sem óculos? Ou podemos aceitar que ele não te cumprimentou porque não quis, talvez ele estivesse chateado nesse dia. Será que você não está sendo injusto com você mesmo quando conclui que você vale menos só porque este colega não te cumprimentou?

 

Autoconceito x Autoestima

O autoconceito tem um aspecto de avaliação envolvido pois, como você se vê é uma coisa mas o quanto você gosta do que vê é outra coisa - essa avaliação é a autoestima.

O quanto você aprova a si mesmo determina o seu nível da autoestima.

Na verdade todo mundo tem dentro de si um “eu ideal”, que é tudo o que esta pessoa gostaria de ser. É possível que esta pessoa nem tenha consciência deste  “eu ideal”  mas mantém um perfil de tudo o que  gostaria de ser, de fazer , como gostaria de se parecer , o quanto gostaria de ganhar , que coisas gostaria de realizar.

Quando a realidade está muito longe do “eu ideal” inicia-se um processo de insatisfação, pois ao não alcançar as metas gera-se angustia. A angustia vem tanto do fato desta pessoa não ser da forma que  gostaria  como também de não se perceber capaz de conseguir ser queria.

 

Psicoterapia para autoestima

Passos:

- Avaliação do autoconceito e autoestima.

- Identificação da origem da autoestima rebaixada, há um levantamento ds situações do passado que possam ter deixado marcas ou a ausência de treino, durante sua formação, para o bom desenvolvimento da auto estima. Por exemplo, crianças que não foram incentivadas a sentirem orgulho de suas realizações podem ter a autoestima comprometida.

- Aplicação de estratégias e técnicas terapêuticas no sentido de reestabelecer ou construir a autoestima trabalhando a autoaceitação das limitações individuais e o reconhecimento das qualidades ainda não percebidas.

 

Tratamento para a insegurança

Um bom tratamento trabalha no sentido de provocar mudanças internas através da mudança cognitiva (de pensamentos) e de comportamentos.

Aconselhamentos ou tentativas de expor a realidade (mais positiva do que ela consegue perceber)  para esta pessoa não costuma surtir efeito, pois os fatos nem sempre mudam sentimentos, mas percepções mudam sentimentos. Ou seja, um bom tratamento para insegurança muda a forma como o inseguro percebe e interpreta a si mesmo e ao mundo.

A psicoterapia para insegurança é um esforço para o desenvolvimento de habilidades específicas que levam a alcançar os objetivos terapêuticas pois a insegurança costuma ser empecilho para a realização da própria terapia pois o inseguro pode ter  medo de expor-se  ao psicólogo.

Claro que toda mudança só é conseguida caso haja tentativa de mudança. Saber que precisa mudar já é um grande passo, o segundo esta em sair em busca de soluções.

Você pode contar com o psicólogo pois esta  é a pessoa que além de ter as técnicas para ajudar também é a pessoa que tem vocação e vontade para tratar as fragilidades humanas.

O resultado é um senso de poder pessoal muito maior, a pessoa se sente mais segura, mais confiante, desenvolve novas habilidades e passa a reconhecer habilidades que sempre teve, mas que nunca usou.

"Cuide dos seus pensamentos, com eles você pode fazer qualquer coisa". (Platão)

 

Metas terapêuticas

Para atingirmos um objetivo devemos saber onde queremos chegar. Eu recomendo que cada inseguro identifique quais comportamentos gostaria de realizar, comportamentos estes que significariam que a insegurança já foi superada.

Exemplos:

-conseguir conversar tranquilamente com qualquer pessoa,  pode ser seu chefe, seu professor, uma paquera.

- iniciar um relacionamento (pois ninguém gosta de viver só).

- conseguir se colocar afirmativamente diante das pessoas, sem ser agressivo, e claro sem engolir sapos também.

 

filho homossexualFilho homossexual - Orientação aos pais

 

 

medo apaixonarMedo de se apaixonar

agende sua comsulta Escolha aqui seu Psicologo
Quanto custa a psicoterapia e informações gerais


Consulta com psicólogo - Agende aqui


*O material deste site é informativo, não substitui a terapia ou psicoterapia oferecida por um psicólogo.

Dicas e Tratamentos

Agende uma Consulta

marcar_consulta

Cómo chegar

Unidade I: Rua Bela Cintra, 968, São Paulo ( Veja o mapa )

Unidade II: Rua Frei Caneca, 33, São Paulo ( Veja o mapa )

Fone central: (11) 3262-0621

Compartilhe!