Unidade I: Rua Bela Cintra, 968 (Av. Paulista) São Paulo / Unidade II: Rua Frei Caneca, 33 - Centro, São Paulo / Fone central: (11) 3262-0621

Síndrome do Panico

AddThis Social Bookmark Button
sindrome do panicoA Síndrome do pânico, também conhecida por Transtorno do pânico ou simplesmente Pânico, trata-se de um transtorno de ansiedade com sintomas intensos.
O portador desta síndrome costuma ser  ansioso e pode passar mal em situações do dia a dia como por exemplo o transito congestionado, a multidão de pessoas no shopping, estar só em casa, o aspecto fechado do cinema ou do transporte publico como metrô ou ônibus entre outros.Costuma sentir-se impotente diante do mal estar repentino e sem explicação (naquele momento) que pode acompanhar de mal estar físico como taquicardia, suor frio, dor de barriga, ânsia de vômito ou falta de ar (um ou mais destes sintomas), etc.
O sentimento fundamental da síndrome do pânico é o medo. Exemplo: Medo de passar mal, medo de não receber socorro, medo de não ter recursos que atendam suas necessidades naquele momento no qual passa muito mal, etc.
O comportamento mais comum no momento da crise costuma ser  correr para obter ajuda.
O comportamento mais comum depois da crise costuma ser o de  evitar que estas crises ocorram novamente, e para isso é comum que o portador de panico evite retornar a lugares parecidos com aqueles onde estava no momento da crise. Exemplo: Se teve a crise em casa evitará ficar em casa sozinho, se teve a crise na estrada tentará evitar estradas, se passou mal em um túnel fará pesquisa sobre novos caminhos para que não precise passar por túneis.
Outra forma de tentar evitar crise pode ser de amparar-se em “muletas emocionais” como garrafas d’água, medidores de pressão, ou qualquer objeto ou forma que imagine que controlaria a ansiedade.

Sintomas comuns na síndrome do pânico

As principais sensações da  síndrome do pânico   são:
- Falta de ar ou sensação de abafamento
– Tontura ou sensação de desmaio
– Aceleração dos batimentos cardíacos
– Tremor
– Suor
– Asfixia , sensação de sufocar
– Estomago revirado
– Náuseas ou sensação de que vai vomitar
– Se sentir irreal ou despersonalizado, sentir que você não é você
– Formigamentos
- Dor de barriga
– Medo de morrer
– Dor no peito
– Medo de enlouquecer
– Medo de fazer algo fora de controle
- Outros
Não são todos portadores de síndrome do pânico que padecem com todos os sintomas, normalmente as pessoas apresentam apenas dois ou mais.
Algumas pessoas não saem de casa, deixam de trabalhar, de estudar ou estar com amigos por medo dos sintomas.

Como a síndrome do pânico inicia

Cada pessoa costuma apresentar o inicio de forma diferente. Exemplos:
- Maria estava fazendo compras, quando chegou ao caixa para pagar suas compras começou a passar mal, o coração acelerava, parecia que ia sair pela boca, tremia, nem conseguia pegar o dinheiro na bolsa. Depois disso ficou com medo de sair de casa sozinha e principalmente com medo de ir ao mercado novamente, e até hoje precisa de alguém para estar junto a ela quando precisa sair de casa.
- João estava viajando a negócios quando começou a passar mal no trem, sentiu uma ânsia de vomito muito forte. Não havia indícios de ter comido algo que pudesse ter lhe feito mal. Depois disso ele teve que desistir deste emprego e aceitar outro que mesmo pagando bem menos não tinha que andar de trem.
- Pedro estava de férias, caminhando na praia, de repente começou a suar frio, deu dor de barriga, ele só queria sair correndo dali e com isso interrompeu as tão esperadas férias.
O primeiro ataque costuma ser sem aviso, não há aparentemente nenhuma boa razão.
Não há duas pessoas que descrevam seus ataques de pânico exatamente da mesma maneira. Para uns são palpitações, parece que estão tendo um ataque do coração, outros, sentem tontura, parece que vai desmaiar, outros sentem enjoo e ficam com medo de vomitar na rua, outros tem falta de ar, outros precisar correr para o banheiro. .

Como as pessoas lidam com a síndrome do pânico

Muitos vão  ao médico e descrevem todos os sintomas, mas na síndrome do panico é comum que o médico diga que "está tudo bem".  Alguns médicos identificam que se trata de uma questão psicológica e encaminham para psicoterapia.
Quem está por perto também pode sofrer, pois pode haver conseqüências em conviver com alguém que mudou sua rotina depois de ter iniciado com crises de pânico .

Diferença entre síndrome do pânico e fobia

Fobia é quando a pessoa se apavora diante de um estímulo específico, para alguns pode ser pombos, para outro altura, por exemplo. A síndrome do pânico não se refere ao medo de algo que está fora, trata-se do medo de sentimentos e sensações internas.

A Síndrome do pânico pode mudar uma pessoa

Algumas mudanças podem ser:
1º Medo de ter outras crises ou do que pode acontecer no próxima crise.
2ª Auto observação – O portador da síndrome do panico costuma desenvolver um foco para as sensações corporais.  O problemas é que nossos corpos mudam o tempo todo, ora você sente frio, ora calor, ora bate o coração mais rápido. Para quem já teve um episódio de pânico tudo isso passa a significar perigo.
3ª Evitação - O portador de panico pode evitar o lugar que considera possível deflagar o pânico.

Medo de que?

No ataque de pânico não há explicação objetiva, pelo menos naquele momento, para pessoa sentir todo este medo, não tem um "pit bul" ameaçando mas a sensação é de que há algo muito ruim acontecendo. As pessoas que passam por uma crise de pânico costumam ficar  confusas, não encontram uma razão para de repente sentir esse mal estar e por isso que passam a pensar que estão sofrendo um ataque do coração, que terão um tumor cerebral, que estão tendo um colapso mental, que vão perder o controle de si mesmas a qualquer momento. As pessoas imaginam perigos diferentes durante uma crise de pânico. Um exemplo: Uma pessoa está no metrô, o vagão está lotando cada vez mais, uma hora ela sente uma ponta metálica apontando nas suas costas, pronto, nessa hora ele lembra que ouviu falar dos assaltos no metrô, ela tem certeza de que vai ser assaltada, fica apavorada. Até olhar pra trás e ver uma velhinha com seu guarda chuva distraidamente pegando nas suas costas.

O que causa a síndrome do pânico

Mesmo que aparentemente não haja nenhuma ligação obvia do pânico com as coisas que estão acontecendo na vida da pessoa, pode haver ligação com acontecimentos passados. Por isso pode ser importante lembrar quando foi o primeiro episódio.
As situações mais comuns envolvidas na causa da síndrome do pânico costumam ser:
Morte ou doença de marido, esposa, parente, amigo, etc.
Doença ou cirurgia no companheiro,
Problemas no casamento   , separação, companheiro muito violento, ou muito crítico, descoberta de uma amante na vida do outro, ou divorcio.
Filhos, ter um bebê,  aborto, acidente com filhos, ou a pressão de cuidar dos filhos.
Família, ter de cuidar de pais idosos, intromissão dos pais na sua vida.
Mudanças    na vida como sair de casa, começar um novo emprego, mudar de bairro, começar a faculdade.
A própria pessoa ficou doente, ou sofreu um acidente.
No trabalho - o estresse, as cobranças, prazos impossíveis de cumprir.
Preocupações com dinheir , fracasso nos negócios.
Uso de  drogas .
Afastar-se dos amigos.
Estar preso em um casamento infeliz, ou ter que viver com sogros, ser controlado por outra pessoa, marido, chefe, pais.]
Etc.

Fonte: Vicente E. Caballo - Tratamento Cognitivo Comportamental dos Transtornos Psicológicos

*O material deste site é informativo, não substitui a terapia  ou psicoterapia  oferecida por um psicólogo
Marisa de Abreu Alves Psicóloga - CRP 06/29493-5

agende sua comsulta Escolha aqui seu Psicologo
Quanto custa a psicoterapia e informações gerais


Consulta com psicólogo - Agende aqui


*O material deste site é informativo, não substitui a terapia ou psicoterapia oferecida por um psicólogo.

Perguntas Frequentes

Agende uma Consulta

marcar_consulta

Cómo chegar

Unidade I: Rua Bela Cintra, 968, São Paulo ( Veja o mapa )

Unidade II: Rua Frei Caneca, 33, São Paulo ( Veja o mapa )

Fone central: (11) 3262-0621

Compartilhe!