Unidade I: Rua Bela Cintra, 968 (Av. Paulista) São Paulo / Unidade II: Rua Frei Caneca, 33 - Centro, São Paulo / Fone central: (11) 3262-0621

Sou Hiperativo?

AddThis Social Bookmark Button
Hiperatividade
O que é hiperatividade?
3 a 7% da população tem um “cérebro sem freio”. São cérebro que tentam, a todo custo, focar duas, três, quatro ou tantas coisas ao mesmo tempo. Mas isso é impossível, todo ser humano só consegue focar um item (assunto, imagem, idéia) de cada vez. Por mais que algumas pessoas se vangloriem de fazer duas coisas ao mesmo tempo, na realidade o que ela faz é trocar muito rapidamente o foco de atenção de uma coisa para outra.
Todo hiperativo possui déficit de atenção? Qual a diferença entre os dois distúrbios?
A deficiência de atenção é uma conseqüência da cabeça hiperativa. Como é impossível ,ao mesmo tempo, focar o que o professor está falando, mais a lembrança do passeio que fará no final de semana, mais o tênis que queria comprar... (isso é hiperatividade) a pessoa não capta tudo que está acontecendo ao seu redor e perde detalhes, ás vezes grandes partes do que é importante, por exemplo o móvel á sua frente e quando vai ver bateu o joelho (isso é déficit de atenção).
Qual o perfil de uma pessoa hiperativa?
Ansiedade, tendência ao estresse, dificuldade em se organizar, medo de fazer ou falar “bobagem”.
A hiperatividade diminui durante a fase adulta? Uma criança hiperativa será um adulto hiperativo?
Sim, a criança hiperativa será um adulto hiperativo, mas é muito comum que este adulto aprenda a lidar com suas características, por exemplo, como ele sabe que tende a ser desorganizado usará a agenda com mais afinco, assim não terá as conseqüências desastrosas dos esquecimentos.
Muito chegar á idade adulta sofrendo de depressão, pois como há uma tendência muito grande das coisas darem errado na vida de um hiperativo e passa a se considerar um fracasso, o que não é verdade.
As escolas estão preparadas para lidar com crianças hiperativas? Os professores ainda confundem alunos hiperativos com crianças bagunceiras e desatentas?
É muito difícil diagnosticar o hiperativo , mesmo porque há níveis muito sutis. Classificar onde a pessoa sai da classificação de “tendência hiperativa” para “Transtorno do déficit de atenção de hiperatividade” não é fácil. Não há exames clínicos, apenas psicológicos. As escolas ainda não tem toda informação a esse respeito. Há muitos professores que até reconhecem crianças hiperativas, mas querem que sejam medicadas a todo custo, e isto não é tratar, isto é dopar a criança para que o professor tenha tranqüilidade.
Ainda há o preconceito, muitos pais não gostam de dar nome ás características de seu filho, o que é um erro, pois o conhecendo melhor podemos lidar melhor com a questão.
Como os pais devem reagir ao desconfiar que seu filho possui hiperatividade?
Os pais devem se informar, ler a respeito e procurar ajuda quando percebem que não estão conseguindo sozinhos lidar com a questão. É necessário treinar seus filhos hiperativos a focarem um assunto de cada vez. É possível que isso seja feito em casa, em casos mais intensos os psicólogos cognitivos comportamentais são preparados com um protocolo de tratamento muito eficiente.
Como é feito o tratamento para hiperativos? Remédios são necessários?
Existe medicação específica, a mais famosa é a Ritalina, apenas médicos podem prescrever, mas existe um “mercado negro” desta substancia pois ela causa efeitos viciantes em pessoas que não possuem o quadro de TDAH.
Os remédios são necessários apenas em casos onde a vida da pessoa está em grande prejuízo, e os efeitos colaterais são menores que os benefícios.
Eu recomendo que se inicie com o tratamento psicológico, dentro da linha cognitiva comportamental, não adianta fazer psicanálise, por exemplo, pois não há traumas envolvidos na origem do problema. O psicólogo orientará no que se refere à necessidade de encaminhar ao médico.
A terapia é um aprendizado, um treino comportamental que dará informações e técnicas que poderão ser usadas a vida toda. A terapia não será para a vida toda, mas a aplicação das estratégias aprendidas sim.
Existe algum dado sobre o número de hiperativos no Brasil ou no mundo?
O Brasil não tem estatísticas fieis, mas em números americanos 3 a 7 % da população.
Entrevista cedida à faculdade Metodista - Aluna: Marina Marques
Leia mais sobre o tratamento para hiperatividade .

hiperativo

Entrevista cedida pela psicologa Marisa de Abreu à faculdade Metodista - Aluna: Marina Marques

 

Hiperatividade

O que é hiperatividade?

Psicologo: 3 a 7% da população tem um “cérebro sem freio”. São cérebros que tentam, a todo custo, focar duas, três, quatro ou tantas coisas ao mesmo tempo. Mas isso é impossível, todo ser humano só consegue focar um item (assunto, imagem, idéia) de cada vez. Por mais que algumas pessoas se vangloriem de fazer duas coisas ao mesmo tempo, na realidade o que ela faz é trocar muito rapidamente o foco de atenção de uma coisa para outra.

Todo hiperativo possui déficit de atenção? Qual a diferença entre os dois distúrbios?

Psicologo: A deficiência de atenção é uma conseqüência da  hiperatividade. Como é impossível ,ao mesmo tempo, focar varias coisas como por exemplo prestar atenção no que o professor está falando, pensar no passeio que fará no final de semana, mais o tênis que queria comprar.  a pessoa não capta tudo que está acontecendo ao seu redor e perde detalhes, ás vezes grandes partes do que está acontecendo no momento, por exemplo não percebe a mesa á sua frente e quando vai ver bateu o joelho (isso é déficit de atenção).

Qual o perfil de uma pessoa hiperativa?

Psicologo: Ansiedade, tendência ao estresse, dificuldade em se organizar, medo de fazer ou falar “bobagem”.

A hiperatividade diminui durante a fase adulta? Uma criança hiperativa será um adulto hiperativo?

Psicologo: Sim, a criança hiperativa será um adulto hiperativo, mas é muito comum que este adulto aprenda a lidar com suas características, por exemplo, como ele sabe que tende a ser desorganizado usará a agenda com mais afinco, assim não terá as conseqüências desastrosas dos esquecimentos.
Muito chegar á idade adulta sofrendo de depressão, pois como há uma tendência muito grande das coisas darem errado na vida de um hiperativo e passa a se considerar um fracasso, o que não é verdade.

As escolas estão preparadas para lidar com crianças hiperativas? Os professores ainda confundem alunos hiperativos com crianças bagunceiras e desatentas?

Psicologo: É muito difícil diagnosticar o hiperativo , mesmo porque há níveis muito sutis. Classificar onde a pessoa sai da classificação de “tendência hiperativa” para “Transtorno do déficit de atenção de hiperatividade” não é fácil. Não há exames clínicos mas há avaliações psicológicas. As escolas ainda não tem toda informação a esse respeito. Há muitos professores que até reconhecem crianças hiperativas mas querem que sejam medicadas a todo custo, e isto não é tratar, isto é dopar a criança para que o professor tenha tranqüilidade.
Ainda há o preconceito, muitos pais não gostam de dar nome ás características de seu filho, o que é um erro, pois o conhecendo melhor o quadro podemos lidar melhor com a questão.

Como os pais devem reagir ao desconfiar que seu filho possui hiperatividade?

Psicologo: Os pais devem ser informados, ler a respeito e procurar ajuda quando percebem que não estão conseguindo sozinhos lidar com a questão. É necessário treinar seus filhos hiperativos a focarem um assunto de cada vez. É possível que isso seja feito em casa, em casos mais intensos os psicólogos cognitivos comportamentais são preparados com um protocolo de tratamento muito eficiente.

Como é feito o tratamento para hiperativos? Remédios são necessários?

Psicologo: Existe medicação específica, a mais famosa é a Ritalina, apenas médicos podem prescrever, mas infelizmente  existe um “mercado negro” desta substancia pois ela causa efeitos viciantes em pessoas que não possuem o quadro de TDAH.
Os remédios são necessários apenas em casos onde a vida da pessoa está em grande prejuízo, e os efeitos colaterais sejam menores que os benefícios.
Eu recomendo que se inicie com o tratamento psicológico, dentro da linha cognitiva comportamental, não adianta fazer psicanálise, por exemplo, pois não há traumas envolvidos na origem do problema. O psicólogo orientará no que se refere à necessidade de encaminhar ao médico.
A terapia é um aprendizado, um treino comportamental que dará informações e técnicas que poderão ser usadas a vida toda. A terapia não será para a vida toda, mas a aplicação das estratégias aprendidas sim.

Existe algum dado sobre o número de hiperativos no Brasil ou no mundo?

Psicologo: O Brasil não tem estatísticas fieis, mas em números americanos 3 a 7 % da população.

Gostará de ler também:

agende sua comsulta Escolha aqui seu Psicologo
Quanto custa a psicoterapia e informações gerais


Consulta com psicólogo - Agende aqui


*O material deste site é informativo, não substitui a terapia ou psicoterapia oferecida por um psicólogo.

Psicólogo Responde

Agende uma Consulta

marcar_consulta

Cómo chegar

Unidade I: Rua Bela Cintra, 968, São Paulo ( Veja o mapa )

Unidade II: Rua Frei Caneca, 33, São Paulo ( Veja o mapa )

Fone central: (11) 3262-0621

Compartilhe!