Unidade I: Rua Bela Cintra, 968 (Av. Paulista) São Paulo / Unidade II: Rua Frei Caneca, 33 - Centro, São Paulo / Fone central: (11) 3262-0621

Hiperatividade - TDAH

AddThis Social Bookmark Button
Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade - TDAH
“Você não faz nada direito, nunca vai ser nada na vida, esquece seus compromissos, atrasa em todo lugar que vai, não consegue prestar atenção na aula, nunca sabe onde deixou as coisas”.
Calma! Não estou te   ofendendo, estou  repetindo as coisas que as pessoas com TDAH vive dizendo para si mesmas.
Porque chegam a esse ponto? Não existe essa coisa de ser menos inteligente, o que existe são pessoas que não percebem a inteligência que têm e por isso não a usam.
TDAH e Auto-estima
Uma das prováveis causas da auto estima rebaixada é o  TDAH   -Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade. As características principais são: falta de atenção, dificuldade em concentração, distração e   hiperatividade.
P or causa destas características a pessoa acaba sendo considerada como incapaz ou incompetente. O que não é verdade, porque não conseguir se ficar numa tarefa não significa que a pessoa não tem condições de executar a tarefa.
A falta de atenção aprece de muitas formas, por exemplo, você está lendo um livro, mas quando chega ao meio da página percebe que nem sabe de que assunto se trata, não se lembra do que acabou de ler. Ou quando está indo para um lugar e pára no meio do caminho e se pergunta: “O que eu estava fazendo mesmo? Pra onde eu ia?”
O  TDAH   aparece na infância. A criança  hiperativa  normalmente é mais agitada, pode até passar por uma fase onde é a estrela da turma pois é a mais falante, tem mais iniciativa, acaba sendo a líder. Mas em algum momento da vida as coisas começam a dar errado, ou algum amigo se desentende com ela, ou a professora o coloca de castigo, e é aí que o inferno começa. É aí que ela começa a pensar que é burra, que não faz nada direito, mesmo porque ouve isso dos outros, as pessoas dão bronca falando essas coisas.
Essa criança cresce, sem saber que tem  TDAH  , nunca tratou, e vira um adulto com alguns problemas.
Problemas que surgem em conjunto com o TDAH
O problema mais comum é a depressão . Não tem como a pessoa pensar tão mal dela mesma por tanto tempo e não acabar ficando deprimida. Outros problemas comuns são a dependência química, pois a compulsão leva aos mais variados vícios, problemas com a estabilidade profissional, dificuldade em   terminar seus projetos e levar suas idéias até o fim.
Também com freqüência surge a ansiedade de desempenho, ou seja, a pessoa morre de medo de se colocar em situações onde terá de mostrar alguma competência, toda a capacidade que têm parece que some. Quando tem que conversar com alguém que ela considere mais importante vira uma tortura, porque foi tão reprimida por figuras importantes, como a professora, os pais, e outros adultos, que agora, mesmo   já sendo uma adulta, continua carregando dentro de si esse medo de “levar bronca”, medo de que digam que ela errou, de que ela é uma incompetente.
A ironia da coisa é que normalmente as pessoas com o quadro de TDAH são mais inteligentes e mais criativas que a média. Normalmente são pessoas que ao longo da vida tem capacidade para exercer várias atividades diferentes e todas com bom nível técnico.
Apesar de o TDAH ser considerado um transtorno neurobiológico, eu gosto de pensar nele como uma característica. É como ter olho azul, sob alguns aspectos ter olho azul é interessante, pois esta pessoas é considerada mais charmosa. Mas para outras coisas pode ser uma desvantagem, como por exemplo na praia o olho azul costuma ser mais sensível à luz e requer o uso de óculos escuros.
É o mesmo com o TDAH . Pode atrapalhar e muito a vida de muita gente, mas se aplicar as estratégias certas você consegue conviver com ele e muito bem. Para aprender estas estratégias existe a terapia. Alias não só para aprender a lidar com o TDAH como para trabalhar e eliminar a depressão, a ansiedade de desempenho que aparece como subproduto desse quadro.
O que é TDAH
O transtorno de déficit de atenção e hiperatividade é de origem genética e de longa duração. Ou seja, se você tem esse problema, pode procurar que encontrará outras pessoas na família que também possuem estas caracteristicas. Quando se diz de “longa duração” quer dizer que a terá contigo pela vida toda e acabará comprometendo várias áreas da vida como as amizades por exemplo. Pode-se ficar com dificuldade em manter amigos. Pela dificuldade em falar em publico a pessoa passa a ter vergonha dela mesma, acha que não é uma pessoa interessante, que ninguém vai gostar dela.
Caracteristicas principais: A distração, a hiperatividade e a impulsividade
Distração
Quando o portador de TDAH vai procurar algum objeto que tenha guardado, como um documento por exemplo, nunca o encontra, pois nunca sabe onde o colocou. Está sempre revirando a casa atrás das coisas que um dia guardou, ou o que pode ser ainda pior, nem procura, simplesmente sofre pensando “Meu Deus, eu sei que não vou achar, sei que vou passar maus pedaços precisando da tal da coisa”. Isso acontece porque quando a pessoa guardou o tal objeto estava, como sempre, distraída, e não fixou o local onde o colocou.
Em outro exemplo esta   pessoa está indo para o banco e quando vai ver já passou um quarteirão e nem viu o tal do banco. Porque? Porque estava com a cabeça no mundo da lua, distraída. Aliás, essa é uma característica muito forte, a “cabeça no mundo da lua”.
Para estas pessoas tem coisas que são muito irritantes, como por exemplo, musica repetitiva. Sabe aquele “tum tum Tum”  de algumas musicas, para  quem tem TDAH é muito irritante. Ficar em multidões também é quase impossível.
Outro momento que essa desatenção aparece é no meio das conversas, pode acontecer de quando a pessoa com TDAH está conversando com alguém a cabeça   começa  a ir longe, e quando   vai ver perdeu um pedaço do que o outro estava falando. Ele fica sem graça “e agora, e como eu vou responder se nem sei o que o outro falou?”. Ou então quando está respondendo uma prova, ou respondendo á outra pessoa ás vezes foge totalmente da cabeça uma palavra, um nome, uma coisa simples que parece que a pessoa não sabe, mas não é nada disso, ela apenas esqueceu naquele momento.
Na sala de aula, ou em palestras, é que a falta de atenção fica mais evidente pois o portador de TDAH se distrai com qualquer coisa que acontece em sua volta. Se   estiver tentando aprender algo e passa alguém pela porta, ou um passarinho voa na janela, ou alguém comenta alguma coisa, pronto, a concentração   já se desvia   e passa prestar atenção no está acontecendo lá fora.
Não dá pra contar com essa pessoa para dar recados, porque ela atende ao telefone, recebe um recado para outra pessoa, e como   tem certeza de que não vai esquecer não anota, mas acaba esquecendo, e levando uma bronca por isso.
É por essas e por outras que as pessoas com TDAH acabam se chamando, ou sendo chamadas pelos outros de burras, incompetentes, fracassadas, quando no fundo elas são é distraídas. O problema maior é quando a pessoa acredita mesmo que é burra pois passará a nem tentar mais fazer as coisas corretamente.
Quer ver um exemplo onde se percebe bem o déficit de atenção: a pessoa   limpando sua casa, está na sala mas tem um copo para levar a cozinha, quando chega na cozinha vê outra coisa para fazer e se esquece do que estava fazendo na sala, larga a sala pela metade e fica na cozinha até ter que ir pro quarto levar um sapato, pronto já larga o que tinha começado na cozinha, e quando vai ver ficou tudo pela metade.
Essa sensação de que o tempo escorre pelos dedos é outra característica. Nunca dá tempo pra fazer nada, a pessoa se perde escovando os dentes e quando vai ver está atrasado para sair pro trabalho.
A desorganização é outra característica, nunca sabe onde colocou as chaves, a carteira, dá sempre um pulo de susto porque acha que perdeu as coisas.
Hiperatividade
É o aumento da atividade motora, ou seja, a pessoa é inquieta, não consegue ficar parada, se está vendo TV parece que fica inventando coisas pra levantar do sofá, se está no cinema fica virando na cadeira de lá pra cá. E tanto pode ser hiperatividade física como mental. Em crianças aparece mais a física, é a criança com bicho carpinteiro como se dizia antigamente. Em adultos essa hiperatividade acaba ficando mais controlada mais a hiperatividade mental continua. É aquela cabeça que não para, fica ruminando o tempo todo. Se alguma coisa deu errado, pronto, vai pensar na coisa por dias. Se alguém falou um desaforo, de novo, fica com a coisa na cabeça um tempão.
Sem falar naquela sensação de inquietação o tempo todo, parece que tem alguma coisa pra fazer mas não sabe o que, parece que está esquecendo alguma coisa, mas não sabe o que.
Impulsividade
É a conseqüência de uma mente inquieta e distraída. A pessoa acaba dizendo coisas que depois vê que não devia ou comprando o que não precisava.
A pessoa com TDAH não tem controle dos seus impulsos, não tem freio. E é mais comum as mulheres serem mais impulsivas do que os homens.
Você percebe que uma pessoa é impulsiva quando responde antes do outro terminar a pergunta. Quando é impaciente, é um sufoco ficar numa fila de banco, esperar a vez num restaurante então nem pensar, se der não come só pra não ficar na fila. Marcar encontro com um impulsivo é um desastre, porque se o outro atrasar 10 minutos pronto, já vai ouvir ou ver cara feia porque ele não sabe esperar.
E por fim, decisões por impulso. Rompe relacionamento no menor probleminha. Pede demissão por impulso, etc.
Como é feito o diagnóstico do TDAH
Para se diagnosticar um quadro de TDAH não necessariamente a pessoa precisa apresentar todas essas características que eu disse agora. Ela pode ser desatenta e não ser hiperativa. Pode não ser desorganizada porque acabou até hiper-compensando, ou seja ela acaba organizada demais, tudo é etiquetado, tudo está em perfeita ordem, até além do necessário.
Então como se faz a avaliação disso tudo na clinica? Tem testes, questionários, a entrevista com o psicólogo. Só assim se chega a uma conclusão. Além do mais existem critérios diagnósticos bastante específicos, estes critérios são internacionais e seguem normas da Associação americana de psiquiatria que publica o DSM Diagnostic and Statistic Manual, ou seja, Manual de Diagnóstico e Estatística. Por esse manual a pessoa tem que ter seis dos nove sintomas de distração e seis dos nove sintomas de hiperatividade.
Os sintomas mais comuns do TDAH
Distração, interromper o que faz quando ouve um barulho; Desorganização, perder objetos, atrasar, faltar, esquecer de pagar contas; Interromper,  falar antes que o outro conclua seu raciocínio; Hiperfoco, concentração intensa em um único assunto de interesse; Remoer sobre falhas cometidas; Inquietação, sensação de que tem algo para fazer, de que algo está faltando; Impaciência em esperar, filas, telefonemas, atendimento em lojas, etc.
Existe cura para o TDAH?
Não se fala em cura de TDAH, justamente porque é uma condição neurobiológica, mas se fala em controle, em adaptação, em melhorar a qualidade de vida de quem sofre com este quadro.
Uma pessoa com TDAH vai ter sempre TDAH, mas viver´s como e não tivesse pois na terapia o psicólogo realinha todos os prejuízos que podem aparecer como conseqüência do TDAH, ensina e acompanha as estratégias específicas para se conviver com o quadro.
O TDAH por si só pode não significar um problema, mesmo porque há níveis e graduações diferentes de TDAH, os problemas são as complicações que aparecem como subproduto do quadro, como por exemplo, esse transtorno é considerado a principal causa de fracasso nos estudos, a pessoa não consegue engrenar na escola, não porque tenha dificuldade em aprender, em reter informação, mas porque como tem tendência a se distrair acaba acreditando que não tem capacidade de aprendizagem e cria crenças internas de incompetência que não verdadeiras, mas a pessoas acaba fazendo e vivendo como se fossem, como ela não acredita mais nela ela mesma larga os estudos, e abandona tudo.
Dificuldades do dia a dia do portador de TDAH
As dificuldades nos relacionamentos é um dos mais comuns, porque imagine, você não se lembra de passar um recado pro seu marido, ou esposa, pronto o outro já acha que você não o ama mais, que você não está nem aí para o relacionamento, quando não é nada disso. Por causa disso tudo a auto estima vai lá pra baixo. A pessoa se odeia.
Na vida profissional a pessoa acaba não rendendo tudo o que ela poderia render, e aí fica frustrada, vê outros até menos competentes tendo promoção e ele ficando pra trás.
Aí pode até acabar considerando que o álcool pode ser uma solução, pois temporariamente ele fará esquecer dos problemas, temporariamente faz a pessoa se sentir leve e sem problemas, mas e é aí que está a armadilha, porque esse “temporariamente” dura pouco, ao repetir a dose entrou no   alcoolismo.
Quem tem TDAH se envolve mais em acidentes, principalmente acidentes de transito. Mas quando não é no transito pode ser em casa mesmo. É a pessoa que mais derruba as coisas na mesa. A toalha em volta do prato do TDAH sempre é a parte que tem comida caída. As pernas do TDAH é aquela que sempre está com um roxo porque se bate nas coisas, nos moveis e nem percebe.
Comorbidade
No TDAH é muito mais fácil de encontrar comorbidades, ou seja outros transtornos, como por exemplo tiques, síndrome do pânico , fobia social , transtorno de ansiedade generalizada .
Aliás o que mais acontece ao psicólogo é de receber na consultório de psicologia a pessoa com a queixa de pânico, ou depressão por exemplo, e ao investigar a causa desse problema inicial descobre que na realidade é um subproduto do TDAH.
Principalmente a depressão e a fobia social. Na depressão a pessoa incorpora crenças erradas quanto a ser incapaz, e a fobia social porque ele acaba ficando com medo de enfrentar as pessoas. O mundo vira um lugar ameaçador, as pessoas ficam muito criticas e a pessoa com TDAH não suporta mais critica, já está estressada de gente dizendo pra ela que tudo o que ela faz não está bom. Aí ela fica até perfeccionista, só admite fazer alguma coisa se considerar que está perfeito, só entrega um trabalho se estiver perfeito. E não pensem que ser perfeccionista é uma coisa boa não, porque a pessoa que é assim acaba mesmo é se sentindo muito frustrada, porque a perfeição é impossível, e quem busca o impossível acaba mesmo é não fazendo nada, deixa e fazer tantas coisas porque ficou perdendo tempo buscando a perfeição em outra coisa quem nem precisa. O perfeccionista perde prazo porque não consegue acabar nunca o que está fazendo, porque não está perfeito e para ele não está terminado. Ou seja é só sofrimento.
Tem terapia para TDAH?
O tipo de terapia que dá melhor resultado com o TDAH é a Terapia Cognitiva comportamental. Porque é uma terapia objetiva. É pratica. Foca o problema e não fica dando voltas em questões que não interessam e não ajudarão em nada.
Em primeiro lugar é muito importante a pessoas saber o que é o TDAH. O psicólogo explica na sessão de psicoterapia , faz parte do tratamento passar essa informação.
São duas áreas no cérebro afetadas. A área da frente do cérebro é que comanda  o comportamento inibitório, ou seja o freio. Todo mundo nasce com um freio no cérebro, que é a sua capacidade de saber quando parar, quando parar de falar, de andar, de fazer coisas, e as áreas temporais, que ficam ao lado do cérebro é que trabalham a atenção seletiva, ou seja são essas áreas do seu cérebro que te permitem a focar sua atenção, que te permitem se concentrar no que está fazendo. Então quem tem TDAH tem alterações nessas áreas.
É mais comum do que você imagina. De cada 30 pessoas uma pode ser portadora do TDAH.
Como são as sessões de terapia para o TDAH
Uma vez por semana. Sessão de 50 min. A duração vai depender do quanto você se dedica a terapia. Quanto mais você fizer a sua lição mais rápido vai. O psicólogo cognitivo comportamental dá lição de casa. Sempre alguma tarefa pra que você leve a terapia pra sua vida.
As primeiras sessões são de avaliação. Conforme o caso tem testes pra serem respondidos, e conforme vou chegando a um diagnóstico eu vou contando pra o que estou identificando.
Traçamos metas terapêuticas e trabalhamos até você atingir todos os seus objetivos e resolver todas as dificuldades.
Como é a terapia para o TDAH
Alguns pontos a serem treinados:
- Aprender a usar agenda, se organizar, colocar prioridade para não se perder com o que não é importante.
- Aprender técnicas de solução de problemas
- Aprender e treinar estratégias de memorização para não sair de casa sem o necessário
Clique aqui para saber sobre o tratamento psicoterapeutico para o TDAH
Mas é importantíssimo que se faça a terapia com seriedade. Temos ótimos resultados porque trabalhamos técnicas diferentes como: Treino de solução de problemas, Treino de habilidades sociais, Relaxamento, e outras. Eu ensino a fazer a agenda de atividades e de objetivos. Mas, o mais importante de tudo é a reestruturação da forma de pensar , reorganizar sua mente, aprender a lidar com suas dificuldades e superá-las.
DDA ou TDAH
Alguns conhecem como DDA que significa Distúrbio do Déficit de Atenção. TDAH significa Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade. As duas siglas estão corretas. Eu gosto de TDAH por ser um mais completo.
As características principais do TDAH são: distração, esquecimento, perder coisas, agitação mental no sentido de ter a cabeça sempre funcionando com algo interessante sob pena de morrer de tédio, a impulsividade onde a pessoa faz coisas e diz coisas e depois percebe que poderia ter feito de outra forma.
A importância desse assunto é que tem muita gente com crises de depressão, se sentindo um fracassado, achando que nunca vai conseguir fazer nada direito na vida porque não se sente com capacidade para boas realizações.  E pensa que a depressão é o quadro clinico principal, mas na realidade o que ele tem é o TDAH.
É assim mesmo, quando a pessoa não tem o diagnóstico correto a tendência é que ele se sinta incapaz  por  não conseguir realizar uma série de coisas como as outras pessoas.  Ele se sente menos inteligente, a família diz que ele não tem força de vontade, a mãe briga, o pai xinga, o marido ou a esposa diz que não tem consideração. Mas pode não ser nada disso . Pode ser TDAH. Seria mais fácil eliminar a depressão se atacarmos a causa desse problema, ou seja a TDAH.
Quando a pessoa recebe o diagnóstico correto costuma sentir até um alivio,  pois saber que a coisa tem nome,  e melhor tem tratamento, dá um outro panorama pra vida.
TDAH é doença?
É importante frisar que quem tem o TDAH não tem um defeito, não tem uma doença. Ele tem uma característica, e de  3 a 7 % da população têm essa característica.
Seu cérebro funciona de forma diferente, não tem um freio, que a maioria das pessoas tem para que ele desacelere. Por isso sua cabeça funciona a mil por hora.  Às vezes o corpo nem acompanha.
Mas não é porque o TDAH não é uma doença que não deve ser trabalhado.  TDAH não cura mas pode e deve ser controlado, de forma contrária  a pessoa passa a vida com grande potencial sem ser realizado.
O portador de TDAH é visto como muita emoção e pouca razão.  Ele acaba tendo uma série de prejuízos em sua vida afetiva, prejuízos com os amigos, no trabalho, na escola. Mas com terapia tudo poderia ser controlado. Mas esta terapia tem que ser na linha cognitiva comportamental, pois é um treino para realizar todo seu potencial.
Como é a vida da pessoa com TDAH?
A pessoa apresenta uma série de prejuízos na vida por ser distraída, hiperativa, e impulsiva .
Muitas vezes a pessoa é só hiperativa, ou seja é agitada mas não é distraída, outras ela é só distraída mas não é inquieta.  De toda forma quando há um desses fatores de forma intensa a gente já pode desconfiar que pode ser TDAH.
Quando eu falo de distração eu me refiro a pessoa que tem tendência à dispersão, com a cabeça em outro mundo, não consegue ler um texto porque quando chega no final percebe que os olhos correram pela página mas a mente não fixou nada do que estava escrito. Normalmente a pessoa se irrita com isso porque ela gasta mais tempo do que a maioria das pessoas para fazer a mesma coisa. E como ela se esforça mais ela acaba sentindo mais cansaço mental. A sensação é de ter sempre um resultado inferior quando comparado com as outras pessoas.
Tempestade de pensamento. Esse é o termo para quem tem esse quadro. Tem momentos que parece que a cabeça não pára, mil pensamentos. Ás vezes parece que todos ao mesmo tempo. A pessoa fica com a sensação de que não consegue se controlar em nada, mas em outros momentos parece que tem um foco tão forte em uma coisa só em algo que seja muito interessante.
A outra característica é o impulso. Faz as coisas sem pensar muito. Faz e depois se arrepende: “Porque não fui pensar melhor”.  Isso acaba com a auto-estima de qualquer um, dá a impressão de que tudo o que faz,  faz errado. Esse impulso acaba fazendo a pessoa falar coisas que outras pessoas também pensam mas ninguém se atreve a dizer. Solta desaforos no meio das conversas. Se recebe uma critica no trabalho manda o chefe para aquele lugar e só depois pensa nas conseqüências.
Características mais comuns do TDAH:
Para o diagnóstico deve-se fazer uma avaliação detalhada. Avalie sempre o grau de prejuízo que estas coisas podem estar provocando e não só o sintoma em si.
Deficiência de atenção:
- Desvia a atenção do que está fazendo quando um barulho ou alguma coisa diferente acontece.
- Tem dificuldade em prestar atenção na fala d outro, perde pedaços da conversa.
- Tem brancos. Esquece o que ia dizer.
- Interrompe as outras pessoas por ter se lembrado de dizer algo.
- Erra quando vai dizer uma palavra muito grande, ou esquece palavras no meio da frase.
- Hiperfoco.  Fica extremamente concentrado quando um assunto lhe interessa.
- Dificuldade em se manter em atividades obrigatórias muito longas.  Ex: Não consegue ouvir uma palestra inteira.
- Interrompe suas tarefas no meio.  Não lê um livro inteiro, não ouve um CD inteiro,etc.
Hiperatividade:
- Se mexe o tempo todo na cadeira, tem gente que confunde com a síndrome das pernas inquietas mas se referem a transtornos distintos.
- Não para com as mãos, fica rabiscando, mexendo no cabelo, rolando alguma coisa na mão.
- Sensação de inquietação. Parece que tem sempre algo faltando, que tem algo para fazer  mas não sabe o que.
- Fica remoendo o que fez de errado ou o que os outros fizeram de errado.
- Faz várias coisas ao mesmo tempo, lê, vê TV, ouve música, tudo junto.
- Tem um monte de idéias mas não leva nenhuma até o fim.
- Às vezes se envolve em situações de alto risco em busca de estímulos fortes, como dirigir muito rápido, etc.
- Às vezes fala sem parar, só dá ele na conversa.
Impulsividade:
- Apresentam baixa tolerância à frustração, quando quer uma coisa não consegue esperar por ela.  Se lança impulsivamente na coisa e como já se sabe nada do que é feito assim acaba dando certo, no final se frustra e desanima.
- Responde as perguntas do outro antes dele acabar de formular a pergunta.
- Fala o que vêm a cabeça sem avaliar antes.  Acaba ofendendo as pessoas.
- Incapacidade de ficar em filas, sala de espera, aguardar mesa de restaurante.  É tudo uma tortura.
- Impulsividade para comprar, trocar de emprego, de relacionamentos, impulsividade para comer.
- Reage sem refletir diante de provocações.  Explode quando recebe uma critica simples.
- Tende a não seguir regras ou normas preestabelecidas “Se mandaram eu fazer eu não faço”.
- Sexualidade instável, ora com muito impulso, outras sem desejo algum.
- Ações contraditórias, ora agressivo, ora afetuoso.  Ou então num ambiente é conservador, mas em outro é moderno.
- Hipersensível. Fica magoado muito fácil. Se emociona com o sentimento dos outros. Fica muito abalado ao ver alguém chorando.  Irritado em ambientes barulhentos ou no meio da multidão.
-  Mudança de humor muito rápida, até varias vezes no mesmo dia.
- Tende a ser muito criativo, tanto que há várias personalidades famosas com fortes indícios de serem portadores de TDAH, como Mozart, Marlon Brando,  Beethovem Einsten.
- E tendência ao desespero.  Quando aparece uma dificuldade ele tende a achar que vai ser impossível de superar  Só mais tarde é que consegue ver que a coisa não era tão horrível assim.
Sintomas secundários costumam ser:
- Desempenho profissional e escolar abaixo do esperado.
- Baixa auto-estima.  Compara-se demais com os outros e não consigo mesmo.
- Às vezes usa drogas ou álcool abusivamente.
- Depressões freqüentes por se sentir inferior aos outros.
- Dificuldade em manter relacionamentos afetivos.
- Dificuldade em começar ou manter suas tarefas.
- Baixa tolerância ao stress.
- Tem um lado criança, com brincadeiras, humor e fantasia.
- É desastrado.  Derruba as coisas, se bate nos móveis.
- Caligrafia ruim.
- Orientação espacial prejudicada.  Não encontra seu carro no estacionamento do shopping por exemplo.
- Não tem noção de tempo, chega atrasado ou muito adiantado nos lugares.
- Hipersensível aos ruídos, principalmente se forem muito repetitivos.
- Tende a ter mais de uma atividade profissional, simultânea ou não.
- Normalmente há pessoas na família com histórico de TDAH.
Depressão e ansiedade tem algo a ver com TDAH?
Um ponto importante a gente salientar é que muitas vezes este transtorno não vem sozinho, existe uma série de prejuízos secundários. Que em psicologia se chama comorbidade, ou seja dois ou mais problemas que aparecem juntos, como por exemplo a depressão, a fobia social que é a dificuldade em se relacionar socialmente, o transtorno do pânico que é aquele mal estar repentino e muito forte que vem do nada,  a ansiedade generalizada que é aquela inquietação desde a hora que acorda até a hora que vai dormir, transtorno bipolar que é a montanha russa emocional, com dias que a pessoa está ótima  achando a vida linda e dias depois em uma depressão profunda.
Quem tem TDAH não consegue deixar de ser ansioso.  Imagine  a pessoa que vive perdendo as coisas, quer sair de casa e não acha as chaves, depois de tanto passar nervoso acha as tais chaves e sai de casa morrendo de raiva,  vai levar o resto do dia para passar o mal estar.  E no dia seguinte acontece tudo de novo.
Causas do TDAH
Tudo indica que são fatores genéticos, ou seja a pessoa nasce com estas características.
Saber conhecer como a sua cabeça funciona  é importantíssimo.  Quanto mais informação você  tiver mais próximo da solução estará.
Tendência à dependência e ao vício do portador de TDAH
Tende a depender das outras pessoas ou em alguns casos ele busca a bebida ou outra droga para se apoiar, o que dá uma falsa sensação de calma. Há uma grande dificuldade em relacionar com os outros. E nessa busca ele acaba desenvolvendo um dos três tipos de dependência:
1- Dependência Ativa: Aparece quando os pais não ofereceram um ambiente de segurança na infância e desenvolve uma série de medos na criança que pode compensar esses medos se protegendo de uma forma muito ativa, ou seja protegendo os mais frágeis como um irmão mais novo, um bichinho de estimação, etc.  Quando adulto ele esconde essa insegurança tentando controlar a tudo e a todos.  É claro que ele se sobrecarrega, se estressa, acaba se sentindo explorado pelos outros, fica depressivo e com tendência a auto depreciação.
2- Dependência passiva: Que é aquela pessoa que foi superprotegida na infância, cresceu sem aprender a ter iniciativa, ou quando tinha era criticada. Quando cresce acaba precisando sempre de ter alguém que lhe diga o que fazer, como fazer, quando, etc.
3- Dependente mascarado, ou egoísta.  Quando criança viveu em um ambiente sem segurança.  Sentia-se desamparado.  Seus pais foram omissos  ou tiveram algum problema psicológico forte, quando adulto vira uma pessoa que precisa de realizações externas para se sentir seguro.  Para se defender dos adultos fracos e hostis ele se veste de indiferença, diz que não “precisa” de pessoas problemáticas na sua vida, e faz tudo muito solitariamente. Não trabalha em equipe. E até seu relacionamento afetivo é muito formal.
Espero ter ajudado a entender de uma vez por todas o que é TDAH, Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade.
Estou à disposição para agendar a sua terapia e trabalharmos essas ou as dificuldades que você estiver passando.
Leia mais sobre o tratamento para o TDAH AQUI
“Você não faz nada direito, nunca vai ser nada na vida, esquece seus compromissos, atrasa em todo lugar que vai, não consegue prestar atenção na aula, nunca sabe onde deixou as coisas”.
Calma! Não estou te   ofendendo, estou  repetindo as coisas que as pessoas com TDAH vive dizendo para si mesmas.
Porque chegam a esse ponto? Não existe essa coisa de ser menos inteligente, o que existe são pessoas que não percebem a inteligência que têm e por isso não a usam.

TDAH e Auto-estima

Uma das prováveis causas da auto estima rebaixada é o  TDAH   -Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade. As características principais são: falta de atenção, dificuldade em concentração, distração e   hiperatividade.
P or causa destas características a pessoa acaba sendo considerada como incapaz ou incompetente. O que não é verdade, porque não conseguir se ficar numa tarefa não significa que a pessoa não tem condições de executar a tarefa.
A falta de atenção aprece de muitas formas, por exemplo, você está lendo um livro, mas quando chega ao meio da página percebe que nem sabe de que assunto se trata, não se lembra do que acabou de ler. Ou quando está indo para um lugar e pára no meio do caminho e se pergunta: “O que eu estava fazendo mesmo? Pra onde eu ia?”
O  TDAH   aparece na infância. A criança  hiperativa  normalmente é mais agitada, pode até passar por uma fase onde é a estrela da turma pois é a mais falante, tem mais iniciativa, acaba sendo a líder. Mas em algum momento da vida as coisas começam a dar errado, ou algum amigo se desentende com ela, ou a professora o coloca de castigo, e é aí que o inferno começa. É aí que ela começa a pensar que é burra, que não faz nada direito, mesmo porque ouve isso dos outros, as pessoas dão bronca falando essas coisas.
Essa criança cresce, sem saber que tem  TDAH  , e se nunca tratou, pode  crescer como um adulto com alguns problemas.

Problemas que surgem em conjunto com o TDAH

O problema mais comum é a depressão . Não tem como a pessoa pensar tão mal dela mesma por tanto tempo e não acabar ficando deprimida. Outros problemas comuns são a dependência química, pois a compulsão leva aos mais variados vícios, problemas com a estabilidade profissional, dificuldade em   terminar seus projetos e levar suas idéias até o fim.
Também com freqüência surge a ansiedade de desempenho, ou seja, a pessoa morre de medo de se colocar em situações onde terá de mostrar alguma competência, toda a capacidade que têm parece que some. Quando tem que conversar com alguém que ela considere mais importante vira uma tortura, porque foi tão reprimida por figuras importantes, como a professora, os pais, e outros adultos, que agora, mesmo   já sendo uma adulta, continua carregando dentro de si esse medo de “levar bronca”, medo de que digam que ela errou, de que ela é uma incompetente.
A ironia da coisa é que normalmente as pessoas com o quadro de TDAH são mais inteligentes e mais criativas que a média. Normalmente são pessoas que ao longo da vida tem capacidade para exercer várias atividades diferentes e todas com bom nível técnico.
Apesar de o TDAH ser considerado um transtorno neurobiológico, eu gosto de pensar nele como uma característica. É como ter olho azul, sob alguns aspectos ter olho azul é interessante, pois esta pessoas é considerada mais charmosa. Mas para outras coisas pode ser uma desvantagem, como por exemplo na praia o olho azul costuma ser mais sensível à luz e requer o uso de óculos escuros.
É o mesmo com o TDAH . Pode atrapalhar e muito a vida de muita gente, mas se aplicar as estratégias certas você consegue conviver com ele e muito bem. Para aprender estas estratégias existe a terapia. Alias não só para aprender a lidar com o TDAH como para trabalhar e eliminar a depressão, a ansiedade de desempenho que aparece como subproduto desse quadro.

O que é TDAH

O transtorno de déficit de atenção e hiperatividade é de origem genética e de longa duração. Ou seja, se você tem esse problema, pode procurar que encontrará outras pessoas na família que também possuem estas caracteristicas. Quando se diz de “longa duração” quer dizer que a terá contigo pela vida toda e acabará comprometendo várias áreas da vida como as amizades por exemplo. Pode-se ficar com dificuldade em manter amigos. Pela dificuldade em falar em publico a pessoa passa a ter vergonha dela mesma, acha que não é uma pessoa interessante, que ninguém vai gostar dela.

Caracteristicas principais do TDHA

A distração, a hiperatividade e a impulsividade

Distração

Quando o portador de TDAH vai procurar algum objeto que tenha guardado, como um documento por exemplo, nunca o encontra, pois nunca sabe onde o colocou. Está sempre revirando a casa atrás das coisas que um dia guardou, ou o que pode ser ainda pior, nem procura, simplesmente sofre pensando “Meu Deus, eu sei que não vou achar, sei que vou passar maus pedaços precisando da tal da coisa”. Isso acontece porque quando a pessoa guardou o tal objeto estava, como sempre, distraída, e não fixou o local onde o colocou.
Em outro exemplo esta   pessoa está indo para o banco e quando vai ver já passou um quarteirão e nem viu o tal do banco. Porque? Porque estava com a cabeça no mundo da lua, distraída. Aliás, essa é uma característica muito forte, a “cabeça no mundo da lua”.
Para estas pessoas tem coisas que são muito irritantes, como por exemplo, musica repetitiva. Sabe aquele “tum tum Tum”  de algumas musicas, para  quem tem TDAH é muito irritante. Ficar em multidões também é quase impossível.
Outro momento que essa desatenção aparece é no meio das conversas, pode acontecer de quando a pessoa com TDAH está conversando com alguém a cabeça   começa  a ir longe, e quando   vai ver perdeu um pedaço do que o outro estava falando. Ele fica sem graça “e agora, e como eu vou responder se nem sei o que o outro falou?”. Ou então quando está respondendo uma prova, ou respondendo á outra pessoa ás vezes foge totalmente da cabeça uma palavra, um nome, uma coisa simples que parece que a pessoa não sabe, mas não é nada disso, ela apenas esqueceu naquele momento.
Na sala de aula, ou em palestras, é que a falta de atenção fica mais evidente pois o portador de TDAH se distrai com qualquer coisa que acontece em sua volta. Se   estiver tentando aprender algo e passa alguém pela porta, ou um passarinho voa na janela, ou alguém comenta alguma coisa, pronto, a concentração   já se desvia   e passa prestar atenção no está acontecendo lá fora.
Não dá pra contar com essa pessoa para dar recados, porque ela atende ao telefone, recebe um recado para outra pessoa, e como   tem certeza de que não vai esquecer não anota, mas acaba esquecendo, e levando uma bronca por isso.
É por essas e por outras que as pessoas com TDAH acabam se chamando, ou sendo chamadas pelos outros de burras, incompetentes, fracassadas, quando no fundo elas são é distraídas. O problema maior é quando a pessoa acredita mesmo que é burra pois passará a nem tentar mais fazer as coisas corretamente.
Quer ver um exemplo onde se percebe bem o déficit de atenção: a pessoa   limpando sua casa, está na sala mas tem um copo para levar a cozinha, quando chega na cozinha vê outra coisa para fazer e se esquece do que estava fazendo na sala, larga a sala pela metade e fica na cozinha até ter que ir pro quarto levar um sapato, pronto já larga o que tinha começado na cozinha, e quando vai ver ficou tudo pela metade.
Essa sensação de que o tempo escorre pelos dedos é outra característica. Nunca dá tempo pra fazer nada, a pessoa se perde escovando os dentes e quando vai ver está atrasado para sair pro trabalho.
A desorganização é outra característica, nunca sabe onde colocou as chaves, a carteira, dá sempre um pulo de susto porque acha que perdeu as coisas.

Hiperatividade

É o aumento da atividade motora, ou seja, a pessoa é inquieta, não consegue ficar parada, se está vendo TV parece que fica inventando coisas pra levantar do sofá, se está no cinema fica virando na cadeira de lá pra cá. E tanto pode ser hiperatividade física como mental. Em crianças aparece mais a física, é a criança com bicho carpinteiro como se dizia antigamente. Em adultos essa hiperatividade acaba ficando mais controlada mais a hiperatividade mental continua. É aquela cabeça que não para, fica ruminando o tempo todo. Se alguma coisa deu errado, pronto, vai pensar na coisa por dias. Se alguém falou um desaforo, de novo, fica com a coisa na cabeça um tempão.
Sem falar naquela sensação de inquietação o tempo todo, parece que tem alguma coisa pra fazer mas não sabe o que, parece que está esquecendo alguma coisa, mas não sabe o que.

Impulsividade

É a conseqüência de uma mente inquieta e distraída. A pessoa acaba dizendo coisas que depois vê que não devia ou comprando o que não precisava.
A pessoa com TDAH não tem controle dos seus impulsos, não tem freio. E é mais comum as mulheres serem mais impulsivas do que os homens.
Você percebe que uma pessoa é impulsiva quando responde antes do outro terminar a pergunta. Quando é impaciente, é um sufoco ficar numa fila de banco, esperar a vez num restaurante então nem pensar, se der não come só pra não ficar na fila. Marcar encontro com um impulsivo é um desastre, porque se o outro atrasar 10 minutos pronto, já vai ouvir ou ver cara feia porque ele não sabe esperar.
E por fim, decisões por impulso. Rompe relacionamento no menor probleminha. Pede demissão por impulso, etc.

Como é feito o diagnóstico do TDAH

Para se diagnosticar um quadro de TDAH não necessariamente a pessoa precisa apresentar todas essas características que eu disse agora. Ela pode ser desatenta e não ser hiperativa. Pode não ser desorganizada porque acabou até hiper-compensando, ou seja ela acaba organizada demais, tudo é etiquetado, tudo está em perfeita ordem, até além do necessário.
Então como se faz a avaliação disso tudo na clinica? Tem testes, questionários, a entrevista com o psicólogo. Só assim se chega a uma conclusão. Além do mais existem critérios diagnósticos bastante específicos, estes critérios são internacionais e seguem normas da Associação americana de psiquiatria que publica o DSM Diagnostic and Statistic Manual, ou seja, Manual de Diagnóstico e Estatística. Por esse manual a pessoa tem que ter seis dos nove sintomas de distração e seis dos nove sintomas de hiperatividade.

Sintomas do TDAH

Distração, interromper o que faz quando ouve um barulho; Desorganização, perder objetos, atrasar, faltar, esquecer de pagar contas; Interromper,  falar antes que o outro conclua seu raciocínio; Hiperfoco, concentração intensa em um único assunto de interesse; Remoer sobre falhas cometidas; Inquietação, sensação de que tem algo para fazer, de que algo está faltando; Impaciência em esperar, filas, telefonemas, atendimento em lojas, etc.

Existe cura para o TDAH?

Não se fala em cura de TDAH, justamente porque é uma condição neurobiológica, mas se fala em controle, em adaptação, em melhorar a qualidade de vida de quem sofre com este quadro.
Uma pessoa com TDAH vai ter sempre TDAH, mas viver´s como e não tivesse pois na terapia o psicólogo realinha todos os prejuízos que podem aparecer como conseqüência do TDAH, ensina e acompanha as estratégias específicas para se conviver com o quadro.
O TDAH por si só pode não significar um problema, mesmo porque há níveis e graduações diferentes de TDAH, os problemas são as complicações que aparecem como subproduto do quadro, como por exemplo, esse transtorno é considerado a principal causa de fracasso nos estudos, a pessoa não consegue engrenar na escola, não porque tenha dificuldade em aprender, em reter informação, mas porque como tem tendência a se distrair acaba acreditando que não tem capacidade de aprendizagem e cria crenças internas de incompetência que não verdadeiras, mas a pessoas acaba fazendo e vivendo como se fossem, como ela não acredita mais nela ela mesma larga os estudos, e abandona tudo.

Dificuldades do dia a dia do portador de TDAH

As dificuldades nos relacionamentos é um dos mais comuns, porque imagine, você não se lembra de passar um recado pro seu marido, ou esposa, pronto o outro já acha que você não o ama mais, que você não está nem aí para o relacionamento, quando não é nada disso. Por causa disso tudo a auto estima vai lá pra baixo. A pessoa se odeia.
Na vida profissional a pessoa acaba não rendendo tudo o que ela poderia render, e aí fica frustrada, vê outros até menos competentes tendo promoção e ele ficando pra trás.
Aí pode até acabar considerando que o álcool pode ser uma solução, pois temporariamente ele fará esquecer dos problemas, temporariamente faz a pessoa se sentir leve e sem problemas, mas e é aí que está a armadilha, porque esse “temporariamente” dura pouco, ao repetir a dose entrou no   alcoolismo.
Quem tem TDAH se envolve mais em acidentes, principalmente acidentes de transito. Mas quando não é no transito pode ser em casa mesmo. É a pessoa que mais derruba as coisas na mesa. A toalha em volta do prato do TDAH sempre é a parte que tem comida caída. As pernas do TDAH é aquela que sempre está com um roxo porque se bate nas coisas, nos moveis e nem percebe.

Comorbidade

No TDAH é muito mais fácil de encontrar comorbidades, ou seja outros transtornos, como por exemplo tiques, síndrome do pânico , fobia social , transtorno de ansiedade generalizada .
Aliás o que mais acontece ao psicólogo é de receber na consultório de psicologia a pessoa com a queixa de pânico, ou depressão por exemplo, e ao investigar a causa desse problema inicial descobre que na realidade é um subproduto do TDAH.
Principalmente a depressão e a fobia social. Na depressão a pessoa incorpora crenças erradas quanto a ser incapaz, e a fobia social porque ele acaba ficando com medo de enfrentar as pessoas. O mundo vira um lugar ameaçador, as pessoas ficam muito criticas e a pessoa com TDAH não suporta mais critica, já está estressada de gente dizendo pra ela que tudo o que ela faz não está bom. Aí ela fica até perfeccionista, só admite fazer alguma coisa se considerar que está perfeito, só entrega um trabalho se estiver perfeito. E não pensem que ser perfeccionista é uma coisa boa não, porque a pessoa que é assim acaba mesmo é se sentindo muito frustrada, porque a perfeição é impossível, e quem busca o impossível acaba mesmo é não fazendo nada, deixa e fazer tantas coisas porque ficou perdendo tempo buscando a perfeição em outra coisa quem nem precisa. O perfeccionista perde prazo porque não consegue acabar nunca o que está fazendo, porque não está perfeito e para ele não está terminado. Ou seja é só sofrimento.

Tem terapia para TDAH?

O tipo de terapia que oferece melhor resultado com o TDAH é a Terapia Cognitiva comportamental. Porque é uma terapia objetiva. É pratica. Foca o problema .
Em primeiro lugar é muito importante a pessoas saber o que é o TDAH. O psicólogo explica na sessão de psicoterapia pois faz parte do tratamento receber essa informação.
A área da frente do cérebro é que comanda  o comportamento inibitório, ou seja o freio. Todo mundo nasce com um freio no cérebro, que é a sua capacidade de saber quando parar, quando parar de falar, de andar, de fazer coisas, e as áreas temporais, que ficam ao lado do cérebro é que trabalham a atenção seletiva, ou seja são essas áreas do seu cérebro que te permitem a focar sua atenção, que te permitem se concentrar no que está fazendo. Então quem tem TDAH tem alterações nessas áreas.
É mais comum do que você imagina. De cada 30 pessoas uma pode ser portadora do TDAH.

Como são as sessões de psicoterapia para o TDAH

Uma vez por semana. Sessão de 50 min. A duração vai depender do quanto você se dedica a terapia. Quanto mais você fizer a sua lição mais rápido será. O psicólogo cognitivo comportamental oferece lição de casa, sempre alguma tarefa pra que você leve a terapia pra sua vida.
As primeiras sessões são de avaliação. Conforme o caso tem testes pra serem respondidos, e conforme o psicologo chega a um diagnóstico ele faz a devolutiva ao paciente.
Traçamos metas terapêuticas e trabalhamos neste sentido.

Como é a terapia para o TDAH

Alguns pontos a serem trabalhados em terapia:
- Aprender a usar agenda, se organizar, colocar prioridade para não se perder com o que não é importante.
- Aprender técnicas de solução de problemas
- Aprender e treinar estratégias de memorização para não sair de casa sem o necessário
É importantíssimo que se faça a terapia com seriedade. É possível obter bons resultados quando trabalhamos técnicas  como: Treino de solução de problemas, Treino de habilidades sociais, Relaxamento, e outras. Eu ensino a fazer a agenda de atividades e de objetivos. Mas, o mais importante de tudo é a reestruturação da forma de pensar , reorganizar sua mente, aprender a lidar com suas dificuldades e superá-las.

DDA ou TDAH

Alguns conhecem como DDA que significa Distúrbio do Déficit de Atenção. TDAH significa Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade. As duas siglas estão corretas. Eu gosto de TDAH por ser um mais completo.
As características principais do TDAH são: distração, esquecimento, perder coisas, agitação mental no sentido de ter a cabeça sempre funcionando com algo interessante sob pena de morrer de tédio, a impulsividade onde a pessoa faz coisas e diz coisas e depois percebe que poderia ter feito de outra forma.
A importância desse assunto é que tem muita gente com crises de depressão, se sentindo um fracassado, achando que nunca vai conseguir fazer nada direito na vida porque não se sente com capacidade para boas realizações.  E pensa que a depressão é o quadro clinico principal, mas na realidade o que ele tem é o TDAH.
É assim mesmo, quando a pessoa não tem o diagnóstico correto a tendência é que ele se sinta incapaz  por  não conseguir realizar uma série de coisas como as outras pessoas.  Ele se sente menos inteligente, a família diz que ele não tem força de vontade, a mãe briga, o pai xinga, o marido ou a esposa diz que não tem consideração. Mas pode não ser nada disso . Pode ser TDAH. Seria mais fácil eliminar a depressão se atacarmos a causa desse problema, ou seja a TDAH.
Quando a pessoa recebe o diagnóstico correto costuma sentir até um alivio,  pois saber que a coisa tem nome,  e melhor tem tratamento, dá um outro panorama pra vida.

TDAH é doença?

É importante frisar que quem tem o TDAH não tem um defeito, não é doença. Trata-se de uma característica,  de  3 a 7 % da população têm essa característica.
Seu cérebro funciona de forma diferente, não tem um freio, que a maioria das pessoas tem para que ele desacelere. Por isso sua cabeça funciona a mil por hora.  Às vezes o corpo nem acompanha.
Mas não é porque o TDAH não é uma doença que não deve ser trabalhado.  TDAH não cura mas pode e deve ser controlado, de forma contrária  a pessoa passa a vida com grande potencial sem ser realizado.
O portador de TDAH é visto como muita emoção e pouca razão.  Ele acaba tendo uma série de prejuízos em sua vida afetiva, prejuízos com os amigos, no trabalho, na escola. Mas com terapia tudo poderia ser controlado. Mas esta terapia tem que ser na linha cognitiva comportamental, pois é um treino para realizar todo seu potencial.

Como é a vida da pessoa com TDAH?

A pessoa apresenta uma série de prejuízos por ser distraída, hiperativa, e impulsiva .
Muitas vezes a pessoa é só hiperativa, ou seja é agitada mas não é distraída, outras ela é só distraída mas não é inquieta.  De toda forma quando há um desses fatores de forma intensa a gente já pode desconfiar que pode ser TDAH.
Quando eu falo de distração eu me refiro a pessoa que tem tendência à dispersão, com a cabeça em outro mundo, não consegue ler um texto porque quando chega no final percebe que os olhos correram pela página mas a mente não fixou nada do que estava escrito. Normalmente a pessoa se irrita com isso porque ela gasta mais tempo do que a maioria das pessoas para fazer a mesma coisa. E como ela se esforça mais ela acaba sentindo mais cansaço mental. A sensação é de ter sempre um resultado inferior quando comparado com as outras pessoas.
Tempestade de pensamento. Esse é o termo para quem tem esse quadro. Tem momentos que parece que a cabeça não pára, mil pensamentos. Ás vezes parece que todos ao mesmo tempo. A pessoa fica com a sensação de que não consegue se controlar em nada, mas em outros momentos parece que tem um foco tão forte em uma coisa só em algo que seja muito interessante.
A outra característica é o impulso. Faz as coisas sem pensar muito. Faz e depois se arrepende: “Porque não fui pensar melhor”.  Isso acaba com a auto-estima de qualquer um, dá a impressão de que tudo o que faz,  faz errado. Esse impulso acaba fazendo a pessoa falar coisas que outras pessoas também pensam mas ninguém se atreve a dizer. Solta desaforos no meio das conversas. Se recebe uma critica no trabalho manda o chefe para aquele lugar e só depois pensa nas conseqüências.

Características mais comuns do TDAH:

Para o diagnóstico deve-se fazer uma avaliação detalhada. Avalie sempre o grau de prejuízo que estas coisas podem estar provocando e não só o sintoma em si.

Deficiência de atenção:

- Desvia a atenção do que está fazendo quando um barulho ou alguma coisa diferente acontece.
- Tem dificuldade em prestar atenção na fala d outro, perde pedaços da conversa.
- Tem brancos. Esquece o que ia dizer.
- Interrompe as outras pessoas por ter se lembrado de dizer algo.
- Erra quando vai dizer uma palavra muito grande, ou esquece palavras no meio da frase.
- Hiperfoco.  Fica extremamente concentrado quando um assunto lhe interessa.
- Dificuldade em se manter em atividades obrigatórias muito longas.  Ex: Não consegue ouvir uma palestra inteira.
- Interrompe suas tarefas no meio.  Não lê um livro inteiro, não ouve um CD inteiro,etc.

Hiperatividade:

- Se mexe o tempo todo na cadeira, tem gente que confunde com a síndrome das pernas inquietas mas se referem a transtornos distintos.
- Não para com as mãos, fica rabiscando, mexendo no cabelo, rolando alguma coisa na mão.
- Sensação de inquietação. Parece que tem sempre algo faltando, que tem algo para fazer  mas não sabe o que.
- Fica remoendo o que fez de errado ou o que os outros fizeram de errado.
- Faz várias coisas ao mesmo tempo, lê, vê TV, ouve música, tudo junto.
- Tem um monte de idéias mas não leva nenhuma até o fim.
- Às vezes se envolve em situações de alto risco em busca de estímulos fortes, como dirigir muito rápido, etc.
- Às vezes fala sem parar, só dá ele na conversa.

Impulsividade:

- Apresentam baixa tolerância à frustração, quando quer uma coisa não consegue esperar por ela.  Se lança impulsivamente na coisa e como já se sabe nada do que é feito assim acaba dando certo, no final se frustra e desanima.
- Responde as perguntas do outro antes dele acabar de formular a pergunta.
- Fala o que vêm a cabeça sem avaliar antes.  Acaba ofendendo as pessoas.
- Incapacidade de ficar em filas, sala de espera, aguardar mesa de restaurante.  É tudo uma tortura.
- Impulsividade para comprar, trocar de emprego, de relacionamentos, impulsividade para comer.
- Reage sem refletir diante de provocações.  Explode quando recebe uma critica simples.
- Tende a não seguir regras ou normas preestabelecidas “Se mandaram eu fazer eu não faço”.
- Sexualidade instável, ora com muito impulso, outras sem desejo algum.
- Ações contraditórias, ora agressivo, ora afetuoso.  Ou então num ambiente é conservador, mas em outro é moderno.
- Hipersensível. Fica magoado muito fácil. Se emociona com o sentimento dos outros. Fica muito abalado ao ver alguém chorando.  Irritado em ambientes barulhentos ou no meio da multidão.
-  Mudança de humor muito rápida, até varias vezes no mesmo dia.
- Tende a ser muito criativo, tanto que há várias personalidades famosas com fortes indícios de serem portadores de TDAH, como Mozart, Marlon Brando,  Beethovem Einsten.
- E tendência ao desespero.  Quando aparece uma dificuldade ele tende a achar que vai ser impossível de superar  Só mais tarde é que consegue ver que a coisa não era tão horrível assim.
Sintomas secundários costumam ser:
- Desempenho profissional e escolar abaixo do esperado.
- Baixa auto-estima.  Compara-se demais com os outros e não consigo mesmo.
- Às vezes usa drogas ou álcool abusivamente.
- Depressões freqüentes por se sentir inferior aos outros.
- Dificuldade em manter relacionamentos afetivos.
- Dificuldade em começar ou manter suas tarefas.
- Baixa tolerância ao stress.
- Tem um lado criança, com brincadeiras, humor e fantasia.
- É desastrado.  Derruba as coisas, se bate nos móveis.
- Caligrafia ruim.
- Orientação espacial prejudicada.  Não encontra seu carro no estacionamento do shopping por exemplo.
- Não tem noção de tempo, chega atrasado ou muito adiantado nos lugares.
- Hipersensível aos ruídos, principalmente se forem muito repetitivos.
- Tende a ter mais de uma atividade profissional, simultânea ou não.
- Normalmente há pessoas na família com histórico de TDAH.

Depressão e ansiedade tem algo a ver com TDAH?

Um ponto importante a gente salientar é que muitas vezes este transtorno não vem sozinho, existe uma série de prejuízos secundários. Que em psicologia se chama comorbidade, ou seja dois ou mais problemas que aparecem juntos, como por exemplo a depressão, a fobia social que é a dificuldade em se relacionar socialmente, o transtorno do pânico que é aquele mal estar repentino e muito forte que vem do nada,  a ansiedade generalizada que é aquela inquietação desde a hora que acorda até a hora que vai dormir, transtorno bipolar que é a montanha russa emocional, com dias que a pessoa está ótima  achando a vida linda e dias depois em uma depressão profunda.
Quem tem TDAH não consegue deixar de ser ansioso.  Imagine  a pessoa que vive perdendo as coisas, quer sair de casa e não acha as chaves, depois de tanto passar nervoso acha as tais chaves e sai de casa morrendo de raiva,  vai levar o resto do dia para passar o mal estar.  E no dia seguinte acontece tudo de novo.

Causas do TDAH

Tudo indica que são fatores genéticos, ou seja a pessoa nasce com estas características.
Saber conhecer como a sua cabeça funciona  é importantíssimo.  Quanto mais informação você  tiver mais próximo da solução estará.

Tendência à dependência e ao vício no portador de TDAH

É possível que  o portador de TDAH dependa das outras pessoas para algumas coisas, ou em alguns casos ele pode buscar a bebida ou outra droga para se apoiar, o que dá uma falsa sensação de calma. Pode haver uma grande dificuldade no relacionamento interpessoal
Três tipos de dependência:
1- Dependência Ativa: Aparece quando os pais não ofereceram um ambiente de segurança na infância e desenvolve uma série de medos na criança que pode compensar esses medos se protegendo de uma forma muito ativa, ou seja protegendo os mais frágeis como um irmão mais novo, um bichinho de estimação, etc.  Quando adulto ele esconde essa insegurança tentando controlar a tudo e a todos.  É claro que ele se sobrecarrega, se estressa, acaba se sentindo explorado pelos outros, fica depressivo e com tendência a auto depreciação.
2- Dependência passiva: Que é aquela pessoa que foi superprotegida na infância, cresceu sem aprender a ter iniciativa, ou quando tinha era criticada. Quando cresce acaba precisando sempre de ter alguém que lhe diga o que fazer, como fazer, quando, etc.
3- Dependente mascarado, ou egoísta.  Quando criança viveu em um ambiente sem segurança.  Sentia-se desamparado.  Seus pais foram omissos  ou tiveram algum problema psicológico forte, quando adulto vira uma pessoa que precisa de realizações externas para se sentir seguro.  Para se defender dos adultos fracos e hostis ele se veste de indiferença, diz que não “precisa” de pessoas problemáticas na sua vida, e faz tudo muito solitariamente. Não trabalha em equipe. E até seu relacionamento afetivo é muito formal.
Espero ter ajudado a entender de uma vez por todas o que é TDAH, Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade.
Estou à disposição para agendar a sua terapia e trabalharmos essas ou as dificuldades.

Gostará de ler também:

deficit de atençãoEu tenho déficit de atenção?

 

 

tdah tratamentoTratamento para TDAH

agende sua comsulta Escolha aqui seu Psicologo
Quanto custa a psicoterapia e informações gerais


Consulta com psicólogo - Agende aqui


*O material deste site é informativo, não substitui a terapia ou psicoterapia oferecida por um psicólogo.

Dicas e Tratamentos

Agende uma Consulta

marcar_consulta

Cómo chegar

Unidade I: Rua Bela Cintra, 968, São Paulo ( Veja o mapa )

Unidade II: Rua Frei Caneca, 33, São Paulo ( Veja o mapa )

Fone central: (11) 3262-0621

Compartilhe!